sábado, 24 de setembro de 2016

384 - NÃO SEI NÃO SEI NÃO SEI NÃO SEI ..............


NÃO SEI NÃO SEI NÃO SEI NÃO SEI NÃO SEI NÃO SEI

Não sei onde pára o meu blusão azul dos dias frescos,
o tempo arrefeceu e vou deixar de andar descalço pela casa,
antes que me constipe, ou te ouça ralhando-me tanta leviandade.

É saudade isto que sinto, dos dias curtos, da casa acolhedora,
da chuva, do cheiro a terra molhada, do escuro pelas seis horas,  
da gata ronronando e roçando-se-me nas pernas fugindo da rua,
chegando a casa molhada e mendigando uma escovadela.

Não sei onde pára esse meu blusão meia estação, corri a casa toda,
abri até o teu roupeiro onde, como na vida,
tudo tens arrumado de um modo ordeiro,
os casacões primeiro, os casacos, os vestidos, os casaquinhos de lã, 
as saias, os blusões leves, as calças e os calções,
entre os quais não está o meu blusão aquele,
mas dei de caras com estes vestidos de que tanto gostas,
e já foram alargados e encolhidos uma data de vezes.

Toquei-os com ternura e fiquei por momentos olhando-os com carinho,
não é pela balança que regulas, nem pelos equinócios ou solstícios,
a ti calhou-te a majestade dos dias, talvez por mais caprichosa, 
mais elegante, duma exigência que não é para toda a gente,
mas que dominas com paciente mestria,
ou deverei dizer com uma mestria paciente ?

Olha ali naquele canto as mantinhas, as écharpes, todas dobradinhas,
a caixa dos turbantes e este cheiro que eu tanto gosto,
bolotas de naftalina.

Mudaram-te o norte de lugar e passas agora os dias de agulha na mão, 
acertando o rumo, 
acertando tudo como se fosses partir para um outro mundo, 
e eu, armado por vezes em filisteu, finjo não te perceber, não te ver,
não entender esta tua revoltada obsessão contra o novel azimute,
o novel azimute que os fusos das Moiras tecem,
como se ventos contrários te empurrassem,
contrariando-te a sina e ameaçando cortar-te o fio de Ariadne,
o fio, a trama que te liga ao mundo, e o futuro em que acreditaras.

A vida é uma viagem que tens cruzado como imponente navio,
sempre sulcando as águas e as vagas alterosas de sete mares que,
Neptuno espalhara na tua frente e agora, na hora da manutenção,
mais estranha ainda se torna para ti a placidez dum estaleiro,
o sossego lúgubre duma qualquer doca seca.

Compreendo-te, adicta que eras do nunca parada,
admiradora que foste da Teresa Madre a quem hoje convidam ao marasmo, cuja contemplação te convida, permite e consente e que recusas enfrentar, porque as marés mortas nunca foram a tua praia.

E não imagino onde estará,
não acho aquele blusão que me ofertaras na feira do Rossio de S. Braz,
azul, da cor do primeiro céu sob o qual há muitos anos nos acoitámos,
que recordo como se fosse ontem,
tal como lembro as constelações que nos foram manto nesta galáxia,
nesta galáxia que juntos começámos nessa noite a percorrer,
e cuja sina fora selada quando nos beijámos,
não sonhando, antes confirmando,
vendo p’lo canto do olho céus e chão pejados de estrelas cadentes,
era isso, eram elas as estrelas que estavam chovendo e cantando,
e atapetando em cascata luminosa e cintilante o chão que pisávamos.

Cá está ele !
quem se lembraria de o colocar aqui que o não vi quando dele precisava,
agora é tarde, já não vou sair, vou ficar aqui contigo,
repartindo o tempo, contando memórias, contabilizando-as contigo,
conferindo-as contigo,
fazendo com elas montinhos como com as fichas nos casinos,
e para que as possamos enrolar em rolinhos de papel de lustro ou de seda,
como fazíamos com as moedinhas que guardávamos numa gaveta,
num cofrinho só para elas, só para nós,
e quando não couberem construirei parra elas um baú tal,
que tenha em vez de rebites, estrelas,
um baú com um candelabro em cima,
e nele uma dúzia de velas sempre acesas.


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

383 - PEGA-ME AO COLO, FAZ-ME UM DESENHO


 Notava-se-lhe a aflição, a glote parecendo subir e descer no elevador da garganta, como quem fincara uma dentadinha no fruto proibido e lhe ficasse atravessada, a maçã-de-adão, vingativa, atrapalhando-lhe o respirar, o engolir da saliva que o nervosismo miudinho lhe fazia brotar na boca e sobretudo o responder ao jornalista que, inquisidor e ameaçador lhe fazia tremer o lugar no pódio sonegando-lhe o tapete debaixo dos pés. *

Cá fora gerou-se natural burburinho e, como habitualmente o campo dividiu-se em dois, no mínimo em dois pois menos nem seria possível, cada cabeça sua sentença e com o passar dos dias múltiplas e várias soluções, versões e recomendações aparecerão, teoricamente poderão chagar aos dez milhões, já devem ter notado que para o efeito não estou a considerar os emigrados. Os que se foram não aguentaram tanta democracia, tanta gente opiniosa e palavrosa, não suportaram aguardar que se cumprissem tantas potencialidades que este lindo país encerra. É gente que não está para conversas, será gente mais de fazer que de discutir, ou reflectir, ponderar, decidir, pensar, resolver, determinar, concluir, deliberar, sentenciar, dispor, optar, preferir, preterir, escolher, separar, gente muito diferente de nós que gostamos sobretudo de aprofundar, improvisar e em conformidade, concomitantemente, agir posteriormente em cima do joelho, com calma e ponderação, sem pressas, a pressa todos o sabemos, é inimiga da perfeição. Em fim, gente que estará melhor lá fora, é gente com quem não se pode manter uma conversa que não a queiram logo dar por acabada, gente sequiosa por chegar a uma solução, a uma conclusão, a um entendimento, coarctando cerce qualquer prolongamento de aprazível diálogo pela raiz. 

Efectivamente não há nada melhor que uma boa conversa, pena que muitos não a consigam ou saibam desenvolver com a devida perfeição, infelizmente há ainda pessoas, e muitas, que não sabem conversar. Não significa que não o façam, fazem-no contudo com todas as dificuldades, perdas (não percas, a perca é um peixe) e desvantagens de não se elevar a conversação ao supra sumo das suas potencialidades, fazendo-o as pessoas, fazendo a conversa, caminhar aos tombos, aos encontrões e aos trambolhões, como se tivessem chegado a um bazar após atravessado, a custo, um largo de foliões e dançarinos acotovelando-se para depois, no bazar, nos atirarem rifas, que são por natureza todas igualmente enroladinhas, fechadinhas e iguaizinhas, como as conversas que puxam, e enroladas como as frases que atiram ao ar para depois rolarem por ali aos tropeções como os carros com dificuldades no arrancar e que o fazem aos soluços.

Para além deste óbice muitas vezes também não sabem ouvir, nem escutar, comummente atalham-te ainda tu tens a pergunta a meio, tentando antecipar a resposta, falhando-a cristalinamente claro, isto quando apesar de te deixarem acabar ou formular a pergunta completa, não enveredam por absurdas derivações;

- E hoje ? que pensa o meu amigo fazer hoje em relação a isso ?

e ao responderem-te, em vez do isso ou do fazer, optam pelo hoje e pelas imensas possibilidades p’lo hoje abertas, se fará sol ou chuva, calor ou frio, se haverá nevoeiro ou nuvens, desmultiplicando-se estas últimas por mais um conjunto  de variáveis de dispersão, de escape ou de fuga oferecidas pelas alternativas de nimbos, cúmulos, cirros ou estratos.
 
Por que motivo ou razão o fazem daria azo a uma catrefa de estudos específicos ou transversais, a que não seria alheia, em caso nenhum, a superficialidade de que tudo hoje se reveste para todos, ou quase todos, ou uma grande maioria, que tudo tocam pela rama sem na realidade tocarem coisa nenhuma.

O comodismo, mas sobretudo a ignorância ditam as leis e campeiam, e, se dantes era difícil levantá-los da cadeira pra irem junto da estante sacar de um dicionário, abri-lo, procurar até por fim encontrarem o tal vocábulo redondo que lhes estivesse atravessado na garganta, hoje, com uma miríade, resmas, paletes de dicionários online, virtuais, à distancia de um clique, nem se incomodam, é tão fácil que nem vale a pena o esforço e, se é fácil não terá valor algum pelo que nem valerá a pena o incómodo da consulta, confirmando- se assim as razões de Arturo Perez-Reverte que, numa recente entrevista desabafou:

- ... A Europa da liberdade morreu. O Ocidente vai perder a guerra com o Islão. Já não há homens brilhantes, e os escritores não têm nada para contar...

efectivamente confirma-se o percurso que o ser humano trilha desde a pré-história, de trogloditas fomos paulatinamente evoluindo para senhores e escravos, bárbaros, servos, cidadãos, estando hoje a processar-se e a confirmar-se a nossa qualidade de consumidores, materialistas, e no caso português sobretudo o de contribuintes. Para além de contribuintes e consumidores a actual geração é caracterizada em pleno por alheados ou alienados, no amplo e plural sentido a este último vocábulo atribuído.

Voltando à vaca fria, estamos perante uma população que não sabe conversar, na maioria das vezes nem conversa, antes desconversa. Não fala, não pergunta, nem sei onde aprenderá tudo, ou se nem aprende nada… Magote, mole ou turba que não sabe falar mas que também nem sabe ouvir, que não procura respostas nem ao menos saberá fazer as perguntas ou tão pouco que perguntas fazer. Já devem ter reparado que este blogue não é para toda a gente, se está entre os meus leitores, se continua meu leitor dou-lhe os parabéns, não estou aqui para facilitar a vida a ninguém, este blogue é elitista, elitista no sentido de que coloca alta a fasquia e não alinha pelo facilitismo tuga. Poderemos ser poucos mas certamente somos bonzinhos. Pelo menos tenho-me nessa conta, não sou modesto pois há muito me disseram que a modéstia e a humildade me ficavam mal e sei por experiência própria que quanto mais a gente se baixa mais o cu lhe aparece…

Devido aos factos assinalados o país está encalhado, e dificílimo será encontrar solução para tão profundos males. Há quarenta anos ainda se olhava para o país e para quaisquer problemas procurando para eles soluções totais, globais, soluções que tivessem em conta todos nós, hoje a democracia permite-nos várias visões e perspectivas, diversificados ângulos de observação, escutar diferentes sensibilidades, ouvir uma multiplicidade de soluções sendo que nenhuma responde convenientemente à questão, ou à pergunta, pois ninguém se atreve a aflorá-la sequer, nem a medo quanto mais em voz alta, do que resulta ser parida uma qualquer solução em função de interesses escamoteados, disfarçados, camuflados, que nada resolvem a não ser a ambição de uma classe, uma categoria, um grupo, uma ideologia, um partido, tornando não raras vezes o problema ainda de maior dimensão do que aquela que tinha antes de para ele ser buscada e encontrada qualquer solução.

É nisto que dão os escapes, as fugas, a dispersão e sobretudo a desatenção ao cerne das questões, o abandono da interrogação, da pergunta, da conversa. Urge que os programas escolares do básico ao secundário e sobretudo ao superior sejam repensados e neles incluída uma disciplina de conversação, uma nova propedêutica abordando a lógica, a retórica, a sofistaria, a dialéctica, a gramática, a maiêutica, revolucionando-se a didáctica e a pedagogia, contornando a demagogia e a mania deste pessoal andar sempre com os cornos no ar, desatento de tudo, incapaz de pensar, de reagir, de agir e de avançar.

O país não está somente parado no tempo, regride, regride no campo económico, social, cultural, politico e a continuarmos assim não tardará que a moca e o fogo voltem a ser para nós os principais instrumentos do dia-a-dia, a par evidentemente do urro, do grunhido, do grito, do monossílabo, do vocábulo, redondo ou não… 



* Glosando a entrevista ontem ou anteontem dada por Mariana Mortágua à TVI

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

382 - O ESTRANHO E EXTRAORDINÁRIO USUAL


Esta história que hoje vos conto nem é ficção, é verídica, se bem que salpicada de sal para vos proporcionar uma mais agradável comichão no palato. Como terão oportunidade de aferir, há mais marés que marinheiros, nem eu imaginaria que no mesmo mês em que me fizeram passar as passinhas do Algarve me desforraria a bandeiras despregadas… Será caso para dizer que cá se fazem cá se pagam.

Mais vale tarde que nunca é bem verdade, mas tão cedo nem o calor da vingança se dissipará das vossas mentes sanguinárias, sempre esperando de garras afiadas as historietas que tenho para vos contar. Esta conta-se em poucas palavras, é hilariante pelo ridículo de que cobre os protagonistas, e metáfora das cabecinhas pensadoras em cujas mãos entregaram há muito este país de provincianos.

Num sábado não muito recente, talvez há quatro ou cinco anos e mais concretamente num dia 11 de Julho, este vosso amigo engalanou-se que nem um pavão para ir comer uma sardinhada a uma cidadezinha perto, a convite do moto-clube local, convite recebido pelo Facebook. Fato e capacete à maneira, bota de ferro por causa das curvas e das rectas, óculo de sol p’ra cortar o vento, só o cabelo esquecera pintar tuti-color como era meu habito… Rumei à vila, ou aldeia, nem sei que vos diga, e lá entrado logo deparei com inusual movimento de motards, a maioria de cabedal e capacete integral, e apesar de ter chegado bem cedo eles eram já muitos.
 
Percorri ruas e ruelas em busca do CBD, até que me deparei com o que vim a saber ser a Praça da República, que mais me pareceu o 5 de Outubro, tal o movimento de peões que àquela hora apresentava. Uma passadeira com mais de cinquenta metros atravessava-a lado a lado. Eu ia quase parado, com tanta gente passeando por ali nem poderia ter sido de outro modo, talvez eu circulasse a cinco à hora, os pés a rojar o chão, pois a tal velocidade é impossível manter a mota em equilíbrio sem a ajuda das “ botas de ferro “ a fazerem de tripé… ou quadripé… Alarguei os olhos uns vinte metros para cada lado da passadeira, mantive a velocidade que trazia, menos que essa só parado, e avancei atravessando-a para parar, mais à frente, frente a uma formosa pastelaria, famosa pelos seus bolinhos pequeninos e gostosos, que nem fazem mal à dieta nem à psico, isto é nem deixam arrependimento nem peso na consciência…

Entrei, bebi um café, dei dois dedos de conversa com um amigo que há muito não via e, mal saí, um apito da autoridade policial logo me fez pensar que estacionara precisamente em cima dos riscos assinalando o espaço para cargas e descargas, e que eu nem sequer vira… Cumpri, fui junto da autoridade demandando salvatério pelo lapso e admitindo a culpa… Mas não, nada disso me esperava, o que me esperava, espantem-se, era uma acusação de atravessamento da passadeira dos peões em velocidade excessiva !  Excessiva e agravada com desrespeito pelos peões, e, pasme-se ! Não visualizada, isto é não presenciada por qualquer policia, mas baseada numa denúncia ! Sim ! Falo-vos verdade ! Não acreditam ? Pois acreditem ! Pretenderam multar-me devido a uma delação ! Eu nem queria acreditar ! Defendi-me e argumentei como pude, fiz ver o ridículo da situação e o regresso aos tempos da PIDE e dos “ bufos “ mas nada demoveu os senhores Feliz e senhor Contente, cada vez mais teimando absurda e prepotentemente no que eu já considerava uma situação abusiva dos meus direitos de cidadão e em que somente uma vez, numa tourada em Cóias, ou Coina, me vira tão igual e estupidamente tratado. 


Fui reclamando à medida da injusta imposição das suas prepotências, a tal ponto que, certamente desejosos de me “apertarem” mandaram vir da central uma colega com um estojo para que eu soprasse o balão, operação que deu zero, pois que a acusar algo, teriam que ter-me deixado em primeiro lugar comer a sardinhada que me levara ali. O zénite da coisa deu-se quando um dos agentes preencheu a terceira ou quarta folha do livro de multas com ajuda via rádio de um colega na central, até aí eu recusara-me a assinar todas elas, pois umas não discriminavam a hora da infracção e da autuação, entre as quais mediavam quase duas horas… outra porque não referia estar eu a ser alvo de mera denúncia não flagrantemente presenciada pela autoridade, noutra recusavam apontar o denunciante, ou nada diziam acerca do facto de eu envergar um capacete integral facto que durante a ocorrência poderia contribuir para ter sido facilmente confundido com um qualquer outro eventual e verdadeiro prevaricador, é que nestas coisas das leis e do direito o que conta são os factos, enfim, uma lástima de actuação e exemplo das autoridades digno de nota e nota dó…

Já farto da situação e vendo não atarem nem desatarem arrisquei e pus termo ao degradante espectáculo dizendo aos senhores agentes que se desejassem me prendessem, e ofereci-lhes os pulsos bem a jeito de lhes ser facilitada a colocação de uma algemas, tendo-lhes afirmado ao mesmo tempo ser o vagar coisa que me sobrava, ser fim-de-semana e andar em turismo, pelo que, prepotência por prepotência, o mais tardar na segunda-feira um juiz decerto ouviria as minhas razões. Resmungaram, que esperasse a multa em casa ida pelo correio, e foram desandando de mãos atrás das costas agitando o molhe das chaves e o apito. Eu nem o papel da dita multa assinara ou aceitara, pelo que arrisquei virar-lhes as costas e fazer-me à vida…

À vida e à esquadra, pronto a apresentar queixa da prepotência de que fora alvo, do que fui demovido pelo agente de serviço que me aconselhou a contestar a multa no prazo uma vez recebida via CTT, visto que os agentes não eram por mim acusados de má educação ou violência, e não eram, eram-no apenas de abuso de autoridade e de prepotência… mas enfim… agradeci-lhe, virei as costas, já não fui à sardinhada por me ter passado a vontade, duas horas de tortura quebram o mais forte… jurei a mim mesmo não voltar a fazer turismo naquela triste terra nos próximos duzentos anos e acelerei quanto pude até casa para queimar a raiva que me consumia, mas atenção, tudo dentro dos limites legais, não vá alguém querer multar-me por confessar aqui excesso de velocidade…

“Não perderam pela demora” assim reza outro velho aforismo popular e, ainda antes do fim desse mês de Julho, quando em todo o país as autoridades eram instruídas para poupar, para não fazer giros diários superiores a trinta quilómetros, diminuindo e fazendo perigar a segurança dos cidadãos, eis que a esquadra da dita terrinha ou alguém que dela fazia parte organizou uma matança alentejana, (desconheço se obedecendo às imposições da ASAE), precisamente no último fim-de-semana desse mês e, nadando em dinheiro ou autoridade, envia a Évora propositadamente em serviço de “táxi”, ida e volta, uma viatura da esquadra, paga por mim e por si que me está lendo, ambos contribuintes sem obrigação de suportar os devaneios deste ou destes agentes, que foram a casa buscar e depois devolver um excelente magarefe, reformado da Manutenção Militar e homem de muitos pergaminhos nesta área, que passa os dias a matar e esquartejar carcaças, e com nome conhecido e afamado na praça de Évora.

Ora quem não tem dinheiro não deve ter vícios.

E eu não estou a bufar, estou a comentar e dar testemunho de uma situação caricata mas verídica, extraordinária mas usual entre nós, pois entendo que a “quem do seu for mau despenseiro, não devo fiar o meu dinheiro” … E tu que achas meu amigo ?

Aches o que achares, a verdade é que seja Verão seja Inverno, quando se declara uma guerra, nos devemos lembrar alargar o Diabo o Inferno…

              Ah ! A multa ?? Ainda estou esperando que chegue...

terça-feira, 20 de setembro de 2016

381 - MARIA DO ROSÁRIO, A POETISA PINTORA.

 “ Mulheres” Márcia Pimentel (M.Pimentel)

Não sou piegas, nem tão pouco um grunho insensível, tenho-me até descoberto no que de mais recôndito em mim existe já que dia após dia a poesia ganha para mim maior significado. Não aprecio poesia por poesia, para ser franco detesto o rimar por rimar da poesia popular com que se enganam os tolos nos jogos florais, compreendo que saia mais barato e dê menos trabalho distribuir prémios que ensinar àquela gente os contornos da poética, cousa a que abro pequenas excepções, como ao poeta António Aleixo por exemplo. Aprecio poesia inteligente, trabalhada, lavrada ou bordada, culta ou como queiram chamar-lhe, e já agora retiro o bordada não vá dar-se o caso de pensarem que a adoro adornada de enfeites e confetes, referi bordada do sentido de trabalhada, no entanto também admiro a poesia espontânea, evidentemente desde que rica de sentido e de conteúdo, substância, o que a coloca longíssimo das quadras populares dos jogos florais que atrás referi.

É neste sentido que sou, e ao longo dos anos me tornei um admirador de Maria do Rosário Pedreira, MRP, a cuja poesia torno e retorno com uma cadência eivada por uma cada vez menor amplitude, pois se chapéus há muitos, e palermas, a poesia de MRP reveste-se porém de limites ilimitados, desculpai-me a redundância. Ainda que havendo muitos poetas, cada um assinala presença no mundo com a sua marca, o seu estilo, a sua época, ou geografia, com a sua particular "literatura" MRP é única entre os únicos, “primo inter pares” ela surgiu-me como a poetisa da pintura, Maria do Rosário Pedreira escreve como quem pinta.

E pinta mesmo, pinta sensibilidades como quem pinta aguarelas, e do remanso de cada poema surge uma tela, que me sensibiliza até ao mais fundo de mim, até um íntimo de mim que eu mesmo desconhecia. O vento despenteando searas, os barcos aos gritos sobre as ondas, a agitação dos dedos fazendo crescer morangos, ou passeando insolentes nas sombras de um decote, cores vivas que a poetisa nada impunemente selecciona, grão a grão, pincelada a pincelada, abrindo ante nós paisagens imaginárias e deslumbrantessensuais pequenas histórias, as suas histórias, que bem podem ser as grandes  histórias do mundo.  


Diz-nos MRP que o amor não cabe num poema, em nenhum poema, nem se enquadra em nenhuma geometria, nenhuma arquitectura, um poema pode ser, deve ser como uma explosão, como cratera em erupção, um trilho abandonado, saudade, farrapos de ausência, pulsão, convulsão, esperança, uma canção, redenção, um raio de sol pela manhã. Um poema é refúgio, repetição, memória, ressurreição, sendo a poesia como as coincidências que nos unem. Amamo-la, à poesia, ou por essas coincidências ou porque nos lembra despojos que o mar deixa de madrugada espalhados numa praia.

Maria do Rosário Pedreira, MRP, é exímia até no auto-retrato que nos deixa, um corpo numa tela, como um mapa onde tenhamos a prerrogativa de descobrir ilhas, paraísos, edens, o corpo exposto como um compêndio onde possamos passear os dedos devagar, tocando as linhas com que se cose a costa que nos abre os horizontes, ou as curtas linhas da mão, projectando sombras, conjecturas, sonhos, balizando as ondas que lhe balançam nos olhos. Os poemas de MRP são pedacinhos de vida flutuando na poeira dos dias e que facilmente confundimos com flores que o vento despiu, ou com estrelas escapadas das trevas, pingando luz, quais lágrimas de sol, alvas e puras penas de um anjo que perdeu as asas por amor.

Partida e desilusão vogam também neste seu peculiar e desvendado universo, pois a vida não é nada daquilo que sua mãe lhe dissera quando lhe começaram a crescer os seios. Parco amor e forte solidão depressa murcharam as rosas que lhe deram, e por se ter deitado com mais homens que aqueles que amou, quando o que verdadeiramente amou nunca com ela acordou. Perdido o medo de morrer, desertas as ruas, fechadas as janelas, não quer ficar, não quer ver murchar as rosas prometidas pois ninguém virá fechar-lhe as pálpebras debaixo das quais os olhos descansarão como seixos numa praia que o mar nunca tocou...

Acicatar-vos o apetite é o meu fito, longe de mim sonegar-vos o prazer da leitura de MRP, só lendo poderemos extasiar-nos e deixar-nos embalar e conduzir por esta mulher que pinta versos, poemas, poesia, como quem nos desvenda e segreda o que lhe vai na alma em cada dia.

Boas leituras. 


quinta-feira, 15 de setembro de 2016

380 - VALSAS, “NEM TODAS AS NOITES SÃO PARA VALSAS” CRITICA E CRITICISMO .........



Tu por aqui Baiãozinho ? Pensei que disseras não voltar mais e afinal cá estás, tu não és passarão destas bandas e aqui nem se passa por mero acaso.

- Olá ó merceeiro, como tá tu ? E a minha prima como vai ? Tens tratado bem dela ? Nunca ouviste dizer que o criminoso volta sempre ao local do crime ? E o pasteleiro ao local do creme ?  Posso ter feito uma afirmação dessas em relação a alguma coisa especifica, de resto nunca pensei deixar de fruir o que me é sugerido e até gosto do café daqui, da esplanada e dos gelados, evidentemente que no tempo deles.

- Mas saberás haver quem não aprecie os teus passeios por aqui, ou não percebeste ainda isso ?

- Claro que já percebi isso ó caramelo, isso e muito mais, nem é coisa de que me admire, porém acho que o país e a cidade e todos nós perdemos muito com esta doentia falta de critica e de críticos, vê só onde chegámos, ao buraco a que chegámos sem que ninguém aparentemente tenha dado pelos maus caminhos trilhados, um país inteiro numa fossa. Claro que sei, folgo até com a atenção que me prodigalizam ainda que eu faça os meus juízos mais para me entreter que outra coisa, mas olha, reparaste, por exemplo, que a iluminação da igreja foi melhorada ? Pois não te esqueças de agradecer cá ao "je".

- Pois pois Baião, era mesmo aí que eu queria chegar, as tuas opiniões, digo as tuas criticas parecem não ser bem aceites, não digo que sejam injustas ou despropositadas, digo apenas que não cairão bem em certos meios.

- Amigo Hermes, há uma diferença considerável entre critica, criticismo e má língua, se não me sentisse capaz de avaliar alguma coisa nem abriria a boca, quanto ao resto, e sendo a coisa pública está sujeita a criticas, e eu no direito de as criticar, tanto mais que há ali dinheiros públicos, dinheiro dos nossos impostos, e dos meus, vejo ali anunciados apoios da DRCA, da CME, provavelmente haverá subsídios da DGA, há patrocínio de uma importante fundação da terra, cabe-me portanto todo o direito a formular as minhas apreciações e avaliações e a torná-las tão públicas quão públicas são as exposições ou as instalações que uma qualquer associação promove aqui nesta igreja. Quem se aventura em público tem que ver a critica como algo que faz parte do ar que se respira, evidentemente falo de criticas justas, isentas, desprovidas de sectarismos, sem quaisquer engajamentos a lealdades morais, politicas ou religiosas.

- Sim sim Baião tens razão, uma crítica justa deveria até ajudar a melhorar as coisas, a assinalar o que esteja menos bem, mas como sabes o tuga convive mal com qualquer critica, para ele critica é sinónimo de destruição…

- Tal qual Hermes, mas eu não funciono assim, procuro um certo distanciamento e evito emitir um juízo formal ou especifico contaminado pelo preconceito ou pela subjectividade, e nunca esqueço que a apreciação de uma obra ou o prazer que ela anos proporciona ou não, envolve uma atitude subjectiva que ninguém consegue impor ao observador, pois os valores e sentimentos estéticos que este carrega, chamemos-lhe grelha de referência, é-nos anterior à apreciação e, se por um lado nos ajuda a “ver” o exposto, por outro também dificulta que nos imponham um gosto ou um ponto de vista.

- Estás a dizer-me que quando entras numa exposição já vais com uma ideia preconcebida Baião ? Já vais de faca afiada pá ?

- Não ! O que eu estou a dizer-te é que vou munido de bagagem, de conhecimentos, de uma grelha que me permite ver como se levasse binóculos e que essa visão é mais rica por ser informada mas não deixa de ser minha, e de ser subjectiva, repara nas unhas da Tininha, eu aprecio o fúxia mas tu podes preferir o lilás, sendo essa liberdade de opção ou de gosto que gera o tipo de subjectividade que não deve nunca passar para a critica.

- Então as más vontades contra ti poderão resultar de mal entendidos Baião ?  A verdade é que ainda que tenhas razão, e sei que tens, alguém preferiria que não aparecesses, que não te pronunciasses, e se assim for só pode ser má fé contra ti ainda que eu não entenda o seu fundamento. Realmente dizer as verdades ou ter razão pode ser prejudicial, só neste país, assim estamos como estamos...

 - Não, julgo que não Hermes, sou sempre objectivo nas minhas criticas, e suficientemente cuidadoso para não gerar os mal entendidos a que aludes, aliás uma critica, ou o facto de se criticar algo ou alguém tem um protocolo ético que nunca mas nunca ultrapassei amigo Hermes, senão nota, é um código de conduta que adoptei para mim mesmo há muito tempo     
        
Primeiro: a crítica deve ser justa, justificada, objectiva, precisa e claramente especificada ou dirigida, a fim de não existirem duvidas quanto ao seu objectivo e identificar sem rodeios o alvo, que deve ser único em cada caso, deverá portanto ser inequívoca. A crítica deve cingir-se a situações concretas.

Segundo: a crítica deve ser sempre bem elaborada, clara, concisa, a critica deve ser educada, correcta, comedida, não deve amesquinhar o destinatário e muito menos apoucar o emissário.

Terceiro: a critica deve evitar opinar, preconceitos e juízos de valor, a critica refere-se a coisas, a situações, não a pessoas, a doutrinas, a confissões, credos, pontos de vista ou posições, para estes casos existe a contestação.

Quarto: a crítica deve basear-se em factos concretos, a critica não pretende formar mas informar e influenciar; alertar, a critica deve avaliar expondo e contendo razões fundamentadas.

Quinto: a crítica carece de conhecimento, se desconhecermos ou não entendermos o que observa não critiquemos. A crítica exige conhecimento e coragem não devendo comportar hesitação ou cobardia.

Sexto: a crítica vale pela substância, deve ser frontal e incontestável, e não sub-reptícia ou subterrânea, a critica não é um boato, não deve ser baixa (de baixeza) nem soez.

Sétimo: a crítica exige frontalidade, criticar não pode ser confundido com o acto de atirar a pedra e esconder a mão, nem  deve ser feita por ignorância, mau caracter ou estupidez.

Oitavo: a crítica está certa ou errada. A crítica deve credibilizar quem a elabora sem desonrar quem a recebe.

Nono: a crítica é uma atitude pessoal e deve estar isenta de má fé, sectarismo, dogmatismo, engajamento e todo e qualquer partidarismo.

Décimo: a crítica deve ser fácil de ler e mais fácil ainda de compreender.

- Belos princípios Baião, mas não sei se sabes que certa gente não funciona assim, há gente que atropela toda a ética e toda a moral e para quem os fins justificam os meios, e isso é o que mais se vê por aqui. Mas afinal quanto à exposição o que me dizes ?

- É um peso pesado, tive o cuidado de pesquisar na net, mais de mil entradas no Google.

- Um peso pesado ?  É só o que tens para dizer ?

- Estás a dois passos dela, se queres saber mais levanta o cu da cadeira e vai vê-la. 























quarta-feira, 14 de setembro de 2016

379 - DO HUMOR E DA IRONIA, A CLEMENTINA

                    

Ouvindo os meus lamentos a Clementina, que nem é tão azeda como a julgam, nem casca grossa, antes docinha como um pêssego, um alperce, acercou-se da mesa e procurou inteirar-se do motivo da controvérsia do dia e, naturalmente e como é próprio da sua doçura, deixar um qualquer lamiré apaziguador, quiçá uma prova da sua ternura, simpatia e empatia.

Cousas que ao Arlindo em nada sensibilizaram, ou molestaram, dado ele ser daqueles tais, dos diferentes, dos todos diferentes mas todos iguais e contra quem a mesa toda se virara, pois acabara de criticar asperamente a disciplina militar, primeiro a respeito das mortes nos treinos dos comandos e depois acerca da nem tão recente polémica com os rapazinhos do colégio militar dos pupilos do exército. Logo calhou que o Zé Antero lhe tivesse feito uma cena que nos deixou todos rindo ao encenar esta piada:

- Parece que estou a vê-los todos ó Arlindo ! De baioneta em riste e preparando-se para abandonar as trincheiras em direcção ao inimigo
- Vamos a eles meus amores ! À carga !

Foi risota geral. Humor e ironia é a sorte daquela mesa, quero dizer desta, pois é nela que vos estou dando conta do ocorrido agora que todos desandaram cada qual arvorando uma desculpa diferente, o Arlindo meneando-se com todo o ar de dama ofendida, o Zé rindo à gargalhada, a Clementina como quem caminha aspergindo água na fervura e o resto gargalhando a bandeiras despregadas.

  
Sobrei eu, fiquei eu pra pagar a conta como sempre calha ao mais parvo, nem sei como a coisa calha para me calhar a mim vezes demais. Fiquei entalado mas também rindo do sucedido e de como em poucos minutos um ambiente se pode modificar completamente. É certo que fiquei a rir, não me fiquei rindo mas fiquei a rir o que parecendo igual não o é, é uma coisa completamente diferente, o riso descomprime, o riso é saudável, a falta dele provoca desde embaraços a incompreensões, a desconfianças, complexos e traumas vários e a males sezões, desaconselhando eu vivamente a amizade e o convívio com quem não partilhe o gosto pelo humor e pelo afiado gume da ironia. Sendo para casar então o melhor é nem sequer pensar em tal, pois irá ser aventura de curta duração com divórcio garantido a breve trecho. Rir é hoje em dia uma questão de sanidade pública e privada. 

Realmente perante determinadas situações rir é mesmo o melhor remédio, se não o único, pois que, em especial neste nosso caricato e peculiar país, a maior parte do acontecido somente pode ser avaliado à luz da ironia e do mais fino ou mais negro humor, tal o absurdo em que se inscreve.

Saber rir daquilo que nenhuma ponta tem mais por onde possamos pegar-lhe, e saber rir de nós mesmos, é condição “sine qua non” para sobreviver neste autêntico vale de lágrimas ou estúpido reino da Dinamarca onde todos, ou quase todos andam enganados e enganando-se vai para quarenta anos. Há essencialmente duas coisas que o português contesta e detesta, uma é saber, saber o que quer que seja a respeito de… saber, aprender, ler, informar-se, perguntar, entender, compreender, em fim, saber por saber, para não ser estúpido. A segunda é meditar, analisar, extraír conclusão, comparar, examinar, intuir, deduzir, generalizando e em simultâneo especificando, pensar, tão simples como isto, pensar.

Daí os dogmas e as ortodoxias de esquerda e de direita em que tropeça há quatro décadas, sem que lhe ocorra no mínimo baixar-se e arrancar a pedra do caminho ficando menos uma em que tropeçar da próxima vez. Todavia larga opiniões a toda a hora, como quem caga bacoradas, e nem tão pouco se dá conta da montanha de asneiradas que ao longo de dias, semanas, meses e anos vai acumulando. Se fosse como o Jóquer do Totoloto era o menos, mas sucede que não é, caindo alguns no extremo oposto, ficarem calados, escondendo dos demais a sua ignorância, o que até consubstanciaria uma virtude não fosse a sabedoria desconfiar da marofa. Entre ser preso por ter cão e preso por o não ter é acreditar na Clementina que garante ser no meio que se encontra a virtude.

E está, e é docinha, e ainda que com um ligeiro travo e um muito leve sabor a maçã verdinha é lá que está a virtude, bem no meio, bem escondidinha. Vai uma apostinha ?

A propósito, foram 17,30€ a conta, vou ter que me vingar nestes cabrões sabiam ? Sabiam ou pertencem àquele número dos que não sabem, nem querem saber e têm raiva a quem saiba ? 



segunda-feira, 12 de setembro de 2016

378 - LUATY BEIRÃO – ZÉ LEÃO *............................


ZÉ LEÃO – LUATY BEIRÃO

Sonhara navegar ares,
planar os mares,
cavalgar liberdade,
abraçar a cidade.

Mão negra lhe abafou o ar,
estrangulou porvir,
acabrunhou devir,
lhe secou o inspirar.

Largou sonho inspirado
e inspiração sonhada,
caiu desassossegado,
sentiu vida parada.

Olhou p’las grades quadradas,
a cidade escangalhada,
culpou Zedu e as brigadas,
pela pátria esfrangalhada.

Repente mordeu nessa mão,
que garrotava jugular,
qual pássaro, sentiu evasão,
se libertar, e ar voltar.

Não atempou estrangulamento,
não matou seu pensamento,
não calou seu lamento,
nem se finou seu tormento.

Mas foi grito de revolta,
p’los céus distribuído,
agarrado por gaivota,
foi comité subversivo.

Semente crescerá sã,
o futuro abensonhado,
dor aquela não foi vã,
nem o destino travado.

Luta Luaty luta irmão,
luta sempre gerou luz,
não se aplaude a escuridão,
né tradição de bantus.

* Évora, 12 de Setembro de 2016 – Humberto Baião

terça-feira, 6 de setembro de 2016

377 - NHA HISTORIA, LARGAM DA MON ..............


A minha amiga Fifi é uma autêntica coca-bichinhos, na gíria das redes sociais chamar-lhe-iam cuscas. Não é defeito, é feitio, a verdade é que embora a léguas dá por tudo que se passa num raio de 20.000 km em seu redor. Melhor, que me lembre, só Júlio Verne pois a Fifi observa mas não regista, analisa mas não verte em letra de forma, não escreve, não edita, e provavelmente será uma pena.

Vem esta arenga a propósito do cerco que me faz, nada escapando a um qualquer olho pidesco que deve ter no meio da testa, como os Ciclopes. Anteontem perguntou-me por que gosto eu tanto de música africana, pois notara que amiúde a partilho na página do programa “Disco África” ou mesmo na minha, quando nada o justifica pois segundo ela, não sou africano nem preto, palavras da Fifi. Confesso ter sentido uma enorme vontade de a mandar agarrar numa saca de cimento e ir àquela parte que a gente sabe, mas comedido como sou respondi-lhe:

- Meramente uma questão de empatia Fifi.

antegozando o fingido agradecimento dela e antevendo-a atrapalhada de volta dos dicionário averiguando o significado de empatia.

Fui mauzinho, mas não menti, é mesmo uma questão de empatia que me leva a gostar imenso dos ritmos e sons africanos.

Evidentemente poder-lhe-ia ter dado outras explicações igualmente válidas, igualmente verdadeiras, como o facto de não haver canais televisivos nacionais, portugueses, destinados ou vocacionados para a história e divulgação da nossa música, pelo que, sendo o mais aproximado que tenho à mão, sou ouvinte e telespectador atento do canal RTP África e da morna música luso africana.

Sim, sei haver outros canais, VH1, MTV, a Híper FM, excluindo propositadamente os de música clássica com os quais me entretenho menos, para isso tenho o YouTube, e além destes canais outros há ainda que se guiam por outros propósitos, divulgar a música de outros países e sobretudo alimentar o negócio da música e das vedetas, ou estrelas, quantas vezes pré-fabricadas em estúdios músicais e de marketing sendo lançadas como qualquer produto de consumo, um shampoo, um detergente, afinando-lhes pernas e mamas, lábios e olhos, cus e pestanas, e Photoshop, muito Photoshop.

Longe vai o tempo em que as estrelas se afirmavam por si e pelo seu valor, e se submetiam a uma popular avaliação crítica mas que as escrutinava ao milímetro em festivais que fizeram história, como o inesquecível e irrepetível Woodstock, onde tantas e tantos começaram as suas carreiras músicais de inesquecível sucesso, como Jimi Hendrix, Bob Dylan, Bob Marley, Santana, Janis Joplin, Joan Baez, e bué de gente que nem me lembra agora e espero me perdoem.

Hoje é tudo pré-fabricado e a malta tudo come e tudo engole sem se interrogar, sem meditar nem reclamar, contudo no mundo negro da música africana ainda conta muito a qualidade se nele se quer vencer, ainda há muita originalidade, e a música é ainda feita com recurso a instrumentos musicais e não a sintetizadores ou remisturadores, em fim, com tudo menos instrumentos como acontece com tanta dessa fast food miusic que nos querem enfiar pelas orelhas. 


Sei que também poderia ter dito à Fifi que os anos vividos em Africa antes de retornar modelaram os meus gostos e preferências, de pequenino se torce o pepino e eu não terei sido excepção à regra, o ritmo, a cadência, o batuque, a naturalidade e originalidade de músicas e intérpretes marcaram-me e, inadvertidamente afloram ao de cima quando me disponho à festa.

Outra explicação não menos verdadeira que contudo não lhe daria tem um cariz sentimental mais aprofundado, e gira em torno dos anos de militar e do tempo que alguns acharão excessivo passado em Angola, Namíbia, Moçambique, Guiné e Cabo Verde. Foram quase sete anos ininterruptos, quantas vezes vivendo em completa comunhão ou simbiose no seio de tribos indígenas, com direito a mulher e tudo, tendo advindo também daí o prazer, o gosto pelo ritmo, pela cadência, pela indolência mas igualmente pelo gingar das ancas e das danças negras, pelo sedoso da pele, do encantamento da cor ao apelo do cheiro a catinga e a cio, à dádiva da sua entrega, ao desprendimento das suas exigências, à resignação espartana das suas existências e ao estoicismo do sentirem-se amadas.

Talvez tenham sido demasiados anos, demasiada convivência, demasiada proximidade, mas jamais coerência em excesso, integridade em falta, vivência abusiva, carência contida, ou paixão travada, daí a saudade. Talvez demasiado amor pra um mundo em guerra e sem ele, todavia decerto seriam respostas demais para a Fifi, por isso me fiquei pela empatia. Sucinto e simples, curto e claro.

Infelizmente alguma da música africana actual também está eivada de um fenómeno que aqui designamos por “pimba”, não há nada que o preto mais goste que uns óculos de sol espelhados ou vistosos, um carrão, preferencialmente branco metalizado, discotecas com muitas luzinhas, cocktails, charutos, arranha céus, iates, anéis, pulseiras, fatos caros, dinheiro, diamantes, choferes, telemóveis XPTO 15, e elas tornadas mulheres objecto, perdidas por cabelos loiros e ou compridos e escorridos como os das brancas. Em fim, toda a panóplia de gadgets que ao longo de décadas foram invejando ao branco decadente sem intuírem quanta frivolidade encerravam enquanto reflexos de um status em queda livre.

Nesse aspecto não são muito diferentes de nós, curiosamente nenhum negro se quer chamar António, ou Anthony Johnson, o negro*, todos querem ser Zedu, é ver o triste espectáculo nalguns vídeos pirosos com cenários como os que acabei de descrever, cenografias com mão a poses de boss, repletos duma vacuidade materialista, consumista, próprias de ambientes propícios à venalidade, completamente contaminados pelo que de pior o branco tem, e exemplos absolutamente desaconselháveis e aberrantes para a juventude a quem são dirigidos…

Mas no que toca ao pior nós vamos porém muitíssimo mais adiantados… 


* http://www.buala.org/pt/a-ler/o-angolano-que-comecou-a-escravatura-nos-estados-unidos 

http://mentcapto.blogspot.pt/2015/01/221-contratempo-em-xangongo.html

http://mentcapto.blogspot.pt/2015/01/223-farol-berlenga-grande.html

http://mentcapto.blogspot.pt/2013/09/160-de-braco-dado-com-ele-e-com-ela.html

http://mentcapto.blogspot.pt/2016/03/322-blonde-and-beautiful-cecile.html

http://mentcapto.blogspot.pt/2014/03/182-stressados-de-guerra.html

https://youtu.be/jpsszqJEVpM   explo abominavel....