quarta-feira, 22 de março de 2017

423 - DUM SÓ GOLPE, COMO A UMA GALINHA *

  Eles

Cumprira a missão de que fora incumbido, não desiludira quem nele confiara, só isso poderia explicar o seu ar feliz, morreu nos meus braços e juro que nunca vira, nem voltei a ver, tão lindo morto, tão feliz morto. Morto mas feliz, e se eu vi gente morrer, e morta… Chorei claro, não sem antes ter gritado umas quantas ordens, mas chorei.

Naquele tempo, situação e lugar não havia nem houve nunca autópsias, nem o feliz morto a teve, mais a mais sabia-se do que tinha falecido, exaustão e desidratação. O soba ordenou a meia dúzia de homens que providenciassem o enterro e designou mais dois que levassem à família e aldeia do morto a triste nova e, descontada a azáfama causada pelas notícias por ele trazidas e que originaram um pandemónio, a vida continuou. 

Também ali havia que enterrar os mortos e cuidar dos vivos, não sendo banal a morte era contudo uma coisa normal, com a qual todos nascemos como nascemos com cor nos olhos, não se saber quando chegará só nos alivia e apimenta a vida, não nos exime dela, morte. Como disse não era banal morrer-se, sendo até muito chorada e lamentada qualquer morte, porém jamais temida. Como se pode temer algo que temos certo desde o primeiro minuto, desde o primeiro choro, desde o primeiro grito ?

Sessenta dos melhores de entre nós voluntariámo-nos para aquela missão, “Galinha do Mato” era uma missão arriscada mas imprescindível, essencial à nossa sobrevivência colectiva, do seu êxito dependeria o bem-estar futuro e a vida de todos na aldeia. Com o passar do tempo os recontros recrudesceram de intensidade deixando há muito de ser recontros para tomarem a regularidade e a dimensão de confrontos, urgia portanto acautelar, prever, assegurar, prevenir, garantir uma posição forte, e todos tinham ouvido bem, eram expectáveis entre dez a vinte por cento de baixas, feridos graves teriam que ser deixados ao seu próprio cuidado, Deus e o destino saberiam que fazer, seria uma operação temerária e, por certo implacavelmente perseguidos na retirada, todavia a vida tem destas coisas, força-nos a estas opções, a vida é feita de escolhas, escolhemos a segurança de todos, a segurança da aldeia, o preço poderá ser alto, só quero a meu lado quem esteja disposto a pagá-lo se necessário.

Não que por esses dias se morresse feliz, mas a morte era companheira diária e inseparável, estava presente em tudo que fazíamos, por isso nunca se pisava em falso, tudo era previsto, antecipado, estudado, planeado, e a estratégia decidida. Cada um sabia exactamente o que fazer e o que dele se pretendia, e todos conheciam o objectivo final e comum, todos sabiam que se arriscavam para o mesmo fim, o bem comum, o bem de todos, sabia-se por que se morria caso se morresse, e como tal ninguém dava um passo em falso, ninguém se desviava do plano traçado, a sorte de cada um dependia de todos e a de todos estava nas mãos de cada um.

A marcha fora penosa, no deserto caminhámos de noite descansando de dia, ao sexto dia parámos, teria que ser dado descanso ao corpo antes de lhe exigirmos o máximo, e limpar armas, rever planos, mandar batedores, esperá-los e ouvi-los, recapitular tudo de novo e de acordo com as novas por eles trazidas, sopesar as forças em presença, redefinir estratégias e tácticas, assinalar alvos e perigos prioritários, combinar uma saída de escape para fuga ou retirada, comer e beber q.b. e dormir antes do esforço final.

Toda a semana caminháramos a pé, numa operação daquele melindre veículos podiam ter-nos traído, são difíceis de esconder, são observados a longa distância e deixam rastos visíveis do ar, deixam fumos, óleos, sobretudo “gritam” mal sejam tocados por qualquer radar, por isso preferimos a marcha, mesmo carregados, e agora tratava-se também de limpar, olear e municiar as armas, ao sétimo dia esperáva-nos um trabalho de monta, o Senhor tinha descansado, mas cabia-nos fazer um bom trabalho nesse dia em que Ele decerto teria os olhos colocados em nós, como tal cada um recolheu-se em si mesmo e rezou as suas orações.
Vós

O regresso dos batedores constituiu uma surpresa de arromba, nada, não havia nada, nem um poste de pé, o próprio vento apagara todas as marcas, só a areia e a terra do chão, ainda empapadas em óleos assinalava o lugar, não fora isso e ninguém diria ter existido ali uma base do SAA, uma base perigosa, uma base ofensiva, uma base de onde partiam todas as surtidas que a nossa aldeia e todo o sul tinham sofrido no último ano. A desolação foi total, mas foi debaixo dela que o regresso se fez, por razões que todos compreenderão esta caminhada pareceu maior e mais cansativa.

Ao sétimo dia do regresso encontrávamo-nos a uma légua da aldeia quando amanheceu, e de imediato toda a gente pôde ver a dispersa mas alta coluna de fumo que se erguia para a sua banda, um batedor esclareceu, «aquilo ser fumo velho, ser fumo com dois dia, dois pa três pá», entreolhámo-nos e num ápice carregámos mochilas e tudo que havia a carregar, o pequeno-almoço ficaria para depois, por agora era meter uma bucha para enganar a fome e dar corda aos sapatos.
Eles

Quanto mais nos aproximávamos maior era a devastação visível, o panorama, a aldeia fora alvo de um ataque em peso na nossa ausência, da aldeia e do aquartelamento nada restava em pé, a brutalidade do ataque tinha apanhado todos completamente de surpresa, tinha sido uma autêntica chacina, pelo calibre dos cartuchos hélicanhões tinham participado, nem foram respeitados velhos nem mulheres, nem crianças e, quando conseguimos efectuar uma contagem minimamente credível calculámos duzentos e quarenta, havia corpos irreconhecíveis, partes de corpos, bocados aleatórios espalhados por toda a parte, era impossível contabiliza-los tal o modo como alguns ficaram, andei quase um mês passado da mioleira, inda assim faltariam cerca de vinte pessoas, teriam tido tempo de fugir ? E porque não regressaram já ?

A vida convive diariamente com a morte, é para a vida que devemos preparar-nos por ser ela o milagre, a morte está certa, pode surgir com mais pressa, ou mais vagar, estar demorada, mas é garantidamente a única certeza e garantia que a vida nos consente. Desperdiçar a vida e temer a morte é um absurdo. Meses atrás aquele negro que em meus braços recebera uma morte feliz salvara-nos a todos, durante dois dias correu para nos avisar, todos lhe ficámos devedores da vida, devido a si o acampamento fora desmontado e abandonado, e quando alguém viera da mata por nós tivera uma desilusão tão grande quão a nossa meia dúzia de dias atrás, encontrara a aldeia deserta, abandonada. Mas desta vez ninguém soubera, ninguém correra a avisar, a matança fora pérfida e excepcionalmente bem planeada. 

A vida é isto, quantas vezes me lembro que se estou vivo o devo a essa grande derrota e desilusão que sofri, eu e mais cinquenta e nove, viver é manter a morte numa corda bamba, a vida é um fluxo, um refluxo, poucos pensam nela mas deviam pensar, muitos pensam na morte quando precisamente esses deviam esquecê-la, descansar, ignorar o devir…

Naturalmente logo houve quem garantisse ter eu uma estrelinha, que já fora a uma guerra e saíra dela vivo, que haverá gente para quem a estrelinha não brilhe tanto como a minha. Gente há que me achará maluco, que achará andar eu ainda passado da mioleira, porém sou bastante certinho e confiável, quero dizer que podeis confiar em mim, que sou pessoa de palavra, normal, sem taras, ainda penso antes de agir, planeio as coisas, não avanço às cegas, prevejo, penso, medito e decido, só depois ajo, e não me afasto um milímetro do que planeei.

Ok, concedo não ser fácil, nem eu caso único, há bué de pessoas que o conseguem, ainda assim entendo que não devemos ser tão rígidos quanto a enfrentar a morte, sim, para alguns será mais fácil enfrentar um exército com uma arma nos braços, para outros puro terror. Como tudo na vida a coragem perante a morte aprende-se, como se aprende a calma, aprende-se e cultiva-se ao longo de uma vida, através da experiência, da sabedoria, da leitura, porque no que concerne à morte, a única coisa que te permitirá será regatear e impor-lhe digidade, a morte aceita-se ou não, nunca será uma questão do momento mas de atitude, sempre foi e será uma questão de atitude perante a vida. 

Carpe diem.

Nós

terça-feira, 21 de março de 2017

000422- NOS BRAÇOS DE DAMIÃO COSME...........


O que é um braço, que força tem um braço, ou um de ferro, digo um braço de ferro, ou um abraço, que tamanho, que alcance ? Fiquei matutando nisto depois da Moura, rindo, ter dito que os meus braços quase davam duas voltas em seu redor. O efeito dos meus abraços já o sei, ela faz-se pequenina, encolhe-se, de modo que o meu amplexo quase a submerge. Magrinha, pequenina, ou assim se fazendo, leve, sente-se segura na minha conchinha diz ela, e raro será não a levar nos braços quando tal acontece, depois, na cama larga, mete o nariz debaixo do meu sovaco ou no meu pescoço e, fechando os olhos esconde-se.

Ficara alegre quando a deixei ao sol na varanda, com a Cocoo e os vasos de Physalis, Uva Crisp, framboesas e morangueiros, as suas últimas coqueluches. Ela ao sol e eu fugindo dele, mudei-me para o lado direito da fila de bancos onde o sol não castigava inda que fosse cedo. A viagem até ao sul demoraria umas três horas, ou mais, tempo suficiente para ficar esturrado caso não me acautelasse. Ali ia eu embalado pelo doce balanço da carruagem, o comboio já não cantava pouca-terra- pouca-terra- pouca-terra, nem acusava o toque-toque do passar dos carris, pois não se ouvia, mas o balanço ficara, seria por isso que lhe chamavam pendular ? Fosse ou não por isso eu resistia ao balançar e à sonolência, olhos fechados, pernas esticadas, a mente agarrada à admiração da Moura pela extensão dos meus braços, pela extensão ou pelo aconchego, curioso é também o limite onde com ela chego, quase quase no limits.

Campos, vacas, ovelhas, cabras, um cão e um pastor, um pastor chamado David, reza a história ter dado uma coça num tal Golias, um grandalhão, uma coça é como quem diz, foi mais uma chapada psicológica, com mão, chegou-lhe as mãos à cara digo eu, porque segundo parece foi o braço que lhe valeu, o braço, um braço comprido, a funda e uma pedra com a qual segundo testemunhos lhe vazou um olho, seria no meio da testa, teria sido, seria o gigante um ciclope ? O certo é que o grandalhão tombou, grandes braços devia ter aquele David, e fortes.

Sim, que isto da força com que a pedra é arremessada depende muito dela, do seu peso, mais que da sua forma, do comprimento da funda e naturalmente do comprimento do braço, alavanca e fulcro, lembram-se ? A força que a funda aproveita é a mesma que afasta os planetas que o sol segura e Newton explicou, simplesmente física aplicada, física e pontaria, treino, a funda tornada uma simples extensão do braço, quão extenso ? Vinte, trinta metros, menos ? De qualquer modo mais que a lança do homem pré-histórico que teria no máximo dois metros, dois e meio, inda assim melhor que somente o braço, um metro o braço não ?

Melhor que a descoberta, aproveitamento ou invenção do fogo pelo homem de Neandertal foi a invenção do arco e da flecha, que alcance tem um braço armado com um arco, alcance útil, certeiro, que abata uma fera, um animal, uma ave, quinze metros ? Não seria mau não, talvez as próteses para o braço tenham começado por aí, pela lança, pela funda, pelo arco e flecha, depois a cana de pesca, a besta, a catapulta, a espada, menor distância mas mais prática, mais eficiente em determinados cenários, tão eficiente que os romanos a encurtaram, tornaram bastante curto o gládio, mais manobrável, mais mortífero, mais eficiente, mais apropriado, permitindo um melhor desempenho, incutindo maior despacho à empreitada.

Abraçada a mim como costuma abraçar-me nunca eu seria capaz de atingir a Moura com uma lança, muito menos com uma flecha, dificilmente com uma espada, mas com um gládio seria trigo limpo, era só puxar a culatra atrás, perdão o braço, recuar o cotovelo e apontar-lho, o gládio, avançá-lo e senti-lo entrando-lhe pelas entranhas, pelo ventre macio, mole, não tem barriga a Moura, Deus me perdoe, olha para o que me deu o sono, trespassar a Moura, não que nunca a tenha trespassado, mas noutros sonhos, noutras aventuras, adoro aquela miúda, magrinha, pequenina, levezinha.

É curioso, agora que penso nisto concluo que toda a nossa evolução mais não tem sido que um esforço enorme em estender o braço, em chegar mais longe, chegar onde os outros não cheguem, o longo braço da lei, o braço da morte, o braço do terrorismo, até do terrorismo de estado, a verdade é que quanto mais longo o braço mais gente morre, mais gente morta, mais e mais depressa, mais eficientemente, com maior rentabilidade, rendibilidade, no fundo trata-se de ser ou não ser competitivo e de fazer render o braço, o comprimento do braço.

Os meus braços são mais curtos mas chegam onde chegam os teus, sussurra-me por vezes a Moura encavalitada em mim, abraçada a mim, o peito pressionando-me as costas, aquecendo-me, mimando-me, depois na ponta do braço a mão percorrendo-me, agarrando-me e reinando comigo, pouca-terra- pouca-terra- pouca-terra, como se tivesse na mão um brinquedo, um comboio a vapor, até lhe sentir o xxxxxxsssssss, como se uma válvula libertando a pressão, expelindo vapor, soprando, apitando, ela rindo, eu «doida, doidinha», sim, os braços dela chegam onde chegam os meus, os braços e as mãos, compridas, espalmadas, magras, de unhas cuidadas, umas vezes encarnadas outras vermelhas.

O braço da justiça, o braço da Moura, o braço do amor, o barco do amor, bem e depois, depois da alabarda seguiu-se a pólvora, o mosquete, o canhão, o fuzil, o rifle, a carabina, a metralhadora, o revólver, a pistola, e a tudo isto meteram rodas, ou asas, ou meteram tudo isto num barco, num submarino, Neil Armstrong (Nelo Braçoscompridos) o primeiro homem na lua, o comprido braço da ciência empunhando um V1, ou V2, e Titans, e Saturnos, o meu braço é maior que o teu, mas eu mijo mais longe, e eu mais alto, isto enquanto outros simplesmente se mijam, ou se fodem.

Coimbra, este comboio descendente já deve ir a meio da jornada, jornada ou caminhada, é relativo, tudo é relativo pois foi isso mesmo que disse Einstein, e dispensou os Armstrongs, mas não os V1 nem os V2, nem os Titans, nem os Saturnos, nem a balística, não lhes deu asas mas deu-lhes átomos, átomos e núcleos, neutrões, neutrinos, protões, positrões, tudo capaz de nos apertar os colhões em segundos, e agora  ? Agora ou sim ou sopas, dez marcas de tabaco em trinta segundos, quem diz marcas de tabaco diz de automóveis, ou de cervejas, estamos agarrados pelos tomates, não abraçados nem mimados, mas fodidos percebem ?

Entroncamento, dois terços do caminho feitos, percorridos, andados, entroncamento, cruzamento, púbis, umbigo, adoro beijá-la no ventre, liso, a pele macia, fofinha, cheirosinha, primavera, maçãs verdes, flores, lindos campos, sol, tulipas, lírios, tulipas não, tulipas são as que ela gosta ter à cabeceira numa jarra, numa floreira, à mão, para me oferecer quand je arrive, quando me abraça, e só larga ao despir-se, despe-se sempre com pressa, a correr, como se os dias, e os braços, tivessem fim…

Aproximamo-nos da Funcheira, o comboio soluça e pára num estertor, olho pela janela os campos reverberando, resplandecentes, a uma sombra dois cavalos, uma charrete, alguém segura um pano, um panejão onde se lê “Damião Cosme”, sou eu, esperam-me, óptimo, uma rodada de abraços e pomo-nos a caminho, chegarei a tempo de jantar. 


segunda-feira, 20 de março de 2017

421 - UM CAMPO DA COR DOS TEUS OLHOS ...


              UM CAMPO DA COR DOS TEUS OLHOS ...

Gostava levar-te onde o campo fosse da cor dos teus olhos
e não houvesse besouros assustando-te
nem vento sibilante despenteando-te.

Só nós dois olhos nos olhos
coração no coração
pele com pele
emoção.

Delírio entre os lírios do campo
onde as giestas e as flores de colorida pétalas
as abelhas, o mel e as colmeias
disfarçassem o teu olor florido de maçã.

E tu uma flor aberta
me oferecesses essa flor, um ramo, um ramalhete
que me deixasse alegre, girando como torniquete
ébrio e feliz
farto, satisfeito, peito pleno, plexo, amplexo.

Pele com pele
peito com peito
coração com coração
coração no coração
batida, batimento, vida
minha vida

tu …




Humberto Baião - Évora, segunda feira, 20-03-2017 - 15:17h

segunda-feira, 13 de março de 2017

420 - TRÊS DE AREIA E DOIS DE CAL .....................


Hoje fui surpreendido, bem não fui surpreendido, surpreenderam-me, e considero não só agradável essa surpresa, como terei que a considerar uma inaudita surpresa, daquelas que de todo não esperamos e que, embora nos deixem de cara à banda, nos deixam feliz o coração. Tanta felicidade porque hoje trouxe para casa um almoço que era uma trampa. Vamos por partes, primeiro a sopa, depois o segundo e por fim a sobremesa.

Quando eu e a Luisinha andamos mais atarefados, assoberbados ou incapacitados, por falta de tempo, de paciência seja o que for, socorremo-nos duma cantina e refeitório de funcionários públicos aqui próxima de casa. Hoje, umas lulas mal feitas como a merda e a saberem mal como o caraças acabaram por gerar uma conversa interessante entre nós, e coisa incrível, entre essas lulas intragáveis e um leite creme flutuando em canela houve tempo para a gente, ela ter-me-ia repreendido aqui e obrigado a usar o nós, ela, a Luisinha, mas ia eu dizendo que entre as duas coisas ainda houve tempo para nós nos descobrirmos, ou eu descobrir coisas novas e surpreendentes sobre ela depois de quarenta anos de casados.

- Pois é Bertinho, esta coisa da cozinha, de cozinhar, não é um dom que Deus tenha concedido a algumas, ou alguns, evidentemente há quem tenha mais jeito para a coisa, mais habilidade, mas isso acontece com electricistas, médicos, médicas, canalizadores, enfermeiras, etc., o problema é que muita gente esquece que cozinhar envolve compreender as ciências físico químicas que, pelo menos num aspecto básico todas estudámos na escola.

- Sim, eu também as estudei mas nunca as liguei à cozinha Luisinha.

- Pois é mas tu tinhas a Mocidade Portuguesa, e o dia do Lusito, e a Bufa, e eu tinha Lavoures e uma coisa que salvo erro se chamava Economia Doméstica a que muita gente nem ligava, não apreciava, calhei estar desperta, não tanto por a minha avó Joaquina ser uma excelsa cozinheira, como sabes, ou até a minha mãe que Deus tem, mas sobretudo por ter tido como mestra, naquele caso dizia-se mestra e não professora, uma mulher genial, ainda há-de aparecer perante mim um homem tão genial como essa mestra Dominica sabes ?

- E eu pá ?? E eu ? EU ????? Olha que tu também…

A mestra Dominica não ensinava, só falava, contava histórias, mas aquela mulher tinha o dom de ensinar, constava até não ser lá muito boa cozinheira, a verdade é que jamais a esqueci, a ela e às suas soluções, solutos, solventes, concentrados, reacções e reagentes, proporções, ocorrências, saturação, densidade, tempo e temperatura, física pura Bertinho, física e química filho, era termodinâmica, ou seja é física, é o estudo das causas e efeitos das mudanças que a temperatura potencia, ou antes propicia Bertinho, quer quanto à temperatura em si quer quanto à pressão e ao volume, por isso em cozinha nos socorremos de panelas de pressão, e se não tivermos cuidado com elas a pressão faz aumentar as coisas e sai tudo pelo fuinho de segurança, por esta válvulazinha, já me tens ajudado a limpar a porcaria dos azulejos da cozinha… Calor é energia querido, energia dinâmica, movimento, a termodinâmica essa energia não só coze, cozinha os alimentos, os transforma, como cria movimento, cozinha mas também fez andar as primeiras máquinas a vapor, aquela dona ou mestra Dominica era um must, eu ficava duas horas de boca aberta ouvindo-a, babando-me, e para ser justa só uns anos mais tarde a apreciei bem e fui capaz de reconhecer quanto de excepcional aquela mulher era.

- Essa não sabia eu Luisinha, nem fazia a mínima ideia, sabia que tinhas tido essas disciplinas claro, todas vocês tinham, mas que te tivessem impressionado tanto nunca teria acreditado. Mas essa do tempo e da temperatura alterarem sabor e textura ta boa, alteram a química, ta bem visto sim senhora, e o segredo no saber dosear a coisa, e mais um cadinho disto e daquilo, ter mão no acafrão...

- Não é uma questão de impressionar, foi antes uma questão de saber ensinar, a tal ponto que quando tive ciências já estava familiarizada e conhecia os termos, foi-me portanto mais fácil aprender ciências, ao mesmo tempo facilitou-me a compreensão da matéria de Economia Doméstica e do acto de cozinhar, acto velho como o homem, que só depois da descoberta do fogo e de começar a cozinhar ainda que toscamente os alimentos viu as calorias durarem mais tempo, o estômago despender menos esforço a moer tudo, moer e desfazer, e lá está a química a funcionar, os sucos solventes, os ácidos reagentes, a enterogastrona, a gastrina o suco pancreático, a bílis injectando química naquilo, a solução transformando-se em quimo, depois em quilo, o cérebro crescendo, a raça evoluindo, não sei já bem a ordem das coisas e alguns nomes me hão-de falhar aqui mas no essencial era isto, era e é isto que se passa, no estômago, nos intestinos, mas muito antes numa panela, numa caçarola, num tacho, numa frigideira, é alquimia, cozinhar é ciência e alquimia, claro que também um pouco de bom senso e intuição q.b. a própria expressão q.b. deriva de deitar ou acrescentar a quantidade e o reagente certos, ou a coisa dá porcaria… 

- Tenho que confessar que me surpreendes, caraças Luisinha, quarenta anos depois e quando pensava não seres novidade nenhuma para mim sais-me com uma aula de ciências físico químicas que me deixa de cara à banda, esta trampa já arrefeceu, antes assim, está intragável não está Luisinha ?

- Bertinho, até quando eu deito bicarbonato de sódio na panela para ajudar a cozer os grãos nada mais estou fazendo que antecipando trabalho que caberia salvo erro ao intestino, por isso quando tu comes os grãos irás ter menos trabalho a digeri-los, d’outro modo o bicarbonato de sódio só entraria em acção quando o “bolo” o quimo chegasse ao intestino, e assim quando fores à casa de banho graças a este meu truque de magia alquímica até fazes mais molinho amorinho eheheheh !  

- Para quem comeu um almoço de caca estás muito bem-disposta, bem, tu na verdade nem comeste, insiste na fruta querida, não podes passar em branco, logo lanchamos mais cedo querida.  

- Estou sim, bem-disposta e grata àquela mulher que já não recordava há muitos anos, estávamos em 73, em 73 ou 74 mas lembro bem que foi antes do 25 de Abril, o que não recordo bem foi se ainda na Escola de Santa Clara ou já na Preparatória da Rua Mendo Estevens, frente ao jardim do Bacalhau, e lembro que foi antes do 25 de Abril porque com o 25 de Abril ela desapareceu, desapareceu de Évora, levou sumiço, quero dizer levou o ano até ao fim, até Julho, depois nunca mais ninguém a viu por cá, a mim deixou-me saudades, saudades e uma dívida da qual somente passados anos tomei conhecimento, talvez porque se vivia no velho regime ela ao dar uma receita jamais chamava os bois pelos nomes, nunca nos deu uma receita de frango em tomate, as receitas dela eram sempre Frango à Anne Frank, Espargos à Catarina Eugénia, Cação à maneira de Carolina Beatriz Ângelo, Pezinhos à moda de Ana Castro Osório, Peixinhos da horta como os de D. Teresa Horta, Rolo de Carne de Emmeline Pankhurst, Polvo à Maud Watts, Os Mil Bolinhos de Millicent Fawcett ou Ensopado à maneira de Emily Wilding Davison, curiosamente nunca mas nunca deu a mais pequena explicação quanto a quem eram todas aquelas mulheres que tomámos naturalmente por excelsas cozinheiras de fama mundial.

- E afinal não eram ? Se não eram cozinheiras o que eram então ?

- Não imaginas Bertinho o choque que tive quando pelos meus quinze ou dezasseis anos ouvi ou li pela primeira vez o nome de Anne Frank, claro que quis logo saber tudo sobre a tal cozinheira da receita de frango, imaginas o meu espanto quando vi quem era Anne Frank, o espanto virou curiosidade, corri a saber quem eram as outras cozinheiras e nessa tarde chorei baba e ranho agarrada a uma enciclopédia nova que chegara à biblioteca, tantos anos depois D. Dominica acabara de me dar a sua última lição de culinária e nesse momento amei-a tanto quanto à minha mãe e à minha avó Joaquina.

Confesso que também eu fiquei impressionado com esta mulher, esta D. Dominica, professora Dominica de quem a Luisinha nem o apelido recorda, é bom, é reconfortante saber que mesmo nos tempos mais fumegantes do velho regime, fumegantes pois de cozinha e cozinhados tratamos, houve gente que não se rendeu, que não temeu, que foi exemplo quando ser exemplo era raro e exemplar, era sobretudo perigoso e exigia coragem inaudita, ao invés de agora que se calam, que comem e calam, que engolem e calam, que podiam gritar e se calam, todos, ou quase todos, no mínimo muitos, demasiados…  

Três de areia e dois de cal, não me ocorreu dar outro título a esta história em que o almoço servido parece ter sido confeccionado tal qual a massa dos mestres, dos trolhas, a balde, devem ter atirado para o caldeirão as lulas, cebolas e pimentão, uma mão cheia de sal, um saquinho de cravinho, um frasco de noz moscada, uma mão cheia de salsa e outra de coisa nenhuma, tudo ao molhe e fé em Deus, ignorando as reacções destes reagentes perigosíssimos, piores que nitroglicerina e a usar com parcimónia. Por isto, por cozinhar ser perigoso me lembrei de escrever e vos deixar de sobreaviso após esta conversa c’a Luisinha, e continuo a reiterar ter em boa verdade ficado estupefacto, 40 anos depois ainda aprendo coisas sobre ela, coisas que, juro-vos, não sabia nem imaginava, e olhem que até com a canela é preciso muito cuidado e cautela. Esta vida …  

segunda-feira, 6 de março de 2017

000419 - MARIAZINHA BUSTLE ROSEBUD .........



O meu amigo Nuno não, não é assim, raramente o vejo preocupado, pelo menos preocupado com o que dele pensem, só duas coisas lhe interessam e o fazem sair do sério, ou nele entrar, o telemóvel GS5 e as bisnagas, as paletas, os aerossóis, as telas, muros, portões, paredes, haja pano e tintas e é vê-lo feliz, ela não, ela é mais a imagem, a postura, o olor, os quebrantos ou requebros muito à séc. XIX e nem duvido que ainda um dia me apareça de bustle, aquela armação de arame, vime ou madeira sob os vestidos, vestidos que adora, como adora os chapéus e as cores em especial logo pela manhã !

- Mas que estão vocês para aí cochichando, ou estão a cascar em mim ?

Era a Mariazinha, essa amiga que também abraçou a arte, faz restauros, tem bom gosto e gosta muito de mim, a malta pensa que o restauro é só tintas e pincéis mas enganam-se, mas foi aí que ela lhes tomou o gosto e depois é ela quem faz tudo em casa, tudo no que aos restauros artísticos concerne, menos a parte da electricidade, da qual tem um medo que se pela, pela de ficar com os cabelos em pé, ou sem eles, ora está a coisa explicada, a coisa é a paixão dela, os restauros, e até os materiais e a sua natureza ela tem que conhecer, e quando foram e não foram usados, o que muitas vezes permite até identificar quem há mil anos ou quinhentos os usou, quem pintou ou não pintou isto ou aquilo, como eu a entendo, e entendo-a por já ter sentido ser a ignorância um empilhador que nos tira o fardo de cima, o saber ocupa lugar e pesa, mas infelizmente nestes nossos dias há muita gente, demasiada gente que não alimenta vontadinha nenhuma de o carregar...
 
Ora tendo ela chegado mais tarde que todos à tertúlia da mesa do “Café Com Todos” lá lhe expliquei ao ouvido quem era o Silva, o que se tinha passado, há quantos anos, aquela coisa da espinha atravessada, e não fosse o suave perfume que dela emanava e ter-me – ia ficado certamente por ali mas assim, quem resiste, eu não, e vai daí contei-lhe a história e a vida do Silva quase desde pequenino.

Há perfumes que nos entopem as narinas, que nos provocam até dificuldades de respiração e dos quais pelo menos eu tenho o cuidado de me afastar, deixam-nos de bom senso e de raciocínio embotados, mas outros há meus amigos que dá gosto inalar, leves, insinuantes, uma emanação que queremos absorver, sorver, um tapete mágico em que a gente flutua, flutua e esquece, as horas, o lugar, o motivo, a razão, o móbil, e ficamo-nos por ali, presos a não sei que inexplicáveis aromas, ou aroma, os sentidos tomados, os sentidos tolhidos, fascinados, deslumbrados, narinas dilatadas, o cogito inebriado, o tempo parado, a alma divagando no éter como as ondas hertzianas, sim essas, as da rádio, nós embevecidos ante o mundo a nossos pés, eu nunca soube ou não me lembro do significado de Rosebud, lembro o filme, vi-o até ao fim umas dez vezes, e agora perdi-me, falávamos de perfumes e da Mariazinha mas a que propósito já não sei de todo, ela tem destas coisas, tem classe, tem patine, tem, tem, tem, mas de que falava eu, quem souber ou adivinhe que mo recorde. Para que tenham uma ideia desta Mariazinha é uma amiga de infância de Benedita, ali nada e criada e que eu conheci quando comecei a namorá-la, namorá-la à Luisinha pois Benedita era, como disse, a terra onde morámos em crianças. Está divorciada, teve um casamento que nunca funcionou bem, e ele era como ela é, ele era e é, e ainda são ambos disfuncionais, desgraças, todos os filhos acabaram, sendo disfuncionais… 

Naquela casa nunca havia horários para nada, regras para nada, ele funcionava sem lhe dar cavaco, ela fazia o mesmo, uma vez no mesmo sábado apareceram com dois Audi A4 novos que tinham comprado, separadamente, porque cada um deles sabia por conversas ligeiras entre si que aquele era o carro preferido e ideal para a família…. Outra vez ela, já depois de divorciada, foi ao stand da Peugeot tentar a substituição dos pneus a um outro carro que então tinha, um carro já com três anos, portanto velho, velhíssimo, acabou vindo de lá com um carrão novo que custou a pagar mas lamentava-se de não saber como a coisa tinha acontecido… Era tudo assim. Sendo professora imagino o respeito, o descanso e a concentração dos estudantes, se vos ponho a par destes pormenores é tão só para termos uma ideia do género da madame Bovary que encarna esta Mariazinha Bustle Rosebud ou antes esta encarna aquela…

 Mariazinha era louquinha e fisgou-me o coração muito cedo, numa tarde de verão em que, atrás de um molhe de estevas no quintal da “Padaria Zambujal” onde brincávamos me puxou pelos suspensórios e, como quem leva as coisas a brincar se virou para mim e me disse:

- Bertinho se um dia formos para a cama tratas-me por meu capitão ?

- Claro que sim capitão Maria, mas olhe meu capitão ou fazemos da cama um barco ou vamos precisar dum barco a sério ou no mínimo dum bom mastro !

- Eu sei meu marujinho eu sei, e quero um mastro bem em pé, pois deitado não vale de nada não serve para nada, e eu quero sentir as velas bem enfunadas Bertinho.

-Tu mandas Maria, és o capitão, perdão o senhor manda é o capitão, sabes capitoa, bem sei que não és preta mas gosto desse teu cabelo, dessa carapinha desgrenhada, sabe Deus por causa de quê minha capitã.

Há coisas no nosso subconsciente de que por vezes nem nos apercebemos, gaiatos já nos adorávamos, depois crescemos, eu segui Veterinária e ela Arte & História, quem sabe se influenciados por brincarmos às vaquinhas e aos iogurtes, aos pais e às mães, aos médicos e enfermeiras, porem tantas vezes brincámos à Florbela Espanca, e ao Túlio Espanca, mas nenhum de nós seguiu literatura, ou poesia, seguiu ela a especialidade de restauro, quem sabe se impressionada pelos frescos decadentes das igrejas onde nos acoitávamos, quem nos explica o subconsciente, quem além de Freud, que eu saiba ninguém cabalmente, apenas sabemos haver para tudo e todos razões que a razão desconhece.   


 



quinta-feira, 2 de março de 2017

418 - UMA SUGESTÃO RECALCITRANTE…..........

                       
Ofereceu-ma o Senhor e alguma razão Ele há-de ter tido para tal, qualquer coisa em mim há que se aproveitará, ou não teria eu sido brindado com a companheira que em sorte me calhou. Não será a primeira vez que o digo e nunca me cansarei de o dizer, ainda a acho linda como no primeiro momento, um caracter forte, uma personalidade bem formada, justa, sensível, amorosa, inteligente, culta, esperta, amiga, e uma montanha de resistência e de força ou não me andaria aturando há cerca de quarenta anos. 

Quis também o Senhor dar-lhe uma carga que ela conseguisse suportar, talvez para a experimentar, pelo que nos idos de 98 lhe concedeu a graça de um cancro da mama que a obrigou a uma lufa-lufa que nem quero recordar e a forçou durante dois a três anos a submeter-se a diversas operações que nenhum de nós deseja lembrar. O tempo foi passando sem sobressaltos de maior, nós esfregando as mãos de contentes e a coisa caindo no esquecimento. Na sua imensa sabedoria Ele saberia o que andou fazendo, o que fazia, ou o que faria. O destino parecia estar traçado à nascença, pelo que nada mais nos competia que ter fé e acreditar estar o bicho morto matado e o problema ultrapassado.

Suposições, mera suposições, o bicho voltou a acordar, a dar noticias de si, a exigir mais, e desde 2010 que voltámos à giga joga que nos fizera andar em bolandas e numa montanha russa em 98, valeu-nos o Senhor estar a ser complacente, ou contemplativo, mas sobretudo o facto dela, Luisinha, ser resiliente como nunca vi e dispor de anjos da guarda de um lado e de outro que a têm mantido cá, comigo, connosco, com todos. Refiro-me ao pessoal médico, técnico e de enfermagem e serviços da Unidade De Oncologia do Hospital do Patrocínio, que no que concerne ao cancro faz milagres, não dá descanso ao bicho, e tudo faz para que ela viva, para meu gáudio e de toda a família e amigos. 

Mas, há sempre um mas, parece não haver bela sem senão, hoje mesmo nos dirigimos à Unidade para mais uma consulta, análises e sessão de químio, pelas oito da manhã estava quase vazia, pelas nove mais parecia terem descarregado ali todos os autocarros da zona, o serviço ficou completamente atulhado de doentes, e pior que tudo, doentes em pé, aquilo ficou violento, era violento, uma violência, mas quem se importa com gente que está quase morta ? (Continua mais abaixo). 

Parece que os que vão morrer te saúdam César ! Salve Ceasar, afinal os doentes importavam-se, importaram-se, e começou a correr um sururu, de inicio rasteiro, como uma surucucu, e que ás tantas causou em todos, doentes e acompanhantes no mínimo grande indignação. E mais umas tantas volvidas haveria já doentes ou acompanhantes sentados na borda duma grande floreira. Mal ou bem metade sentava-se mas mais de metade ficava em pé, horas e horas, uma maca ali eternamente estacionada atrapalhava quem passava no corredor, especialmente quem se deslocasse de cadeiras de rodas, os monitores LCD’s LG e Panasonic que foram há meia dúzia de anos adquiridos ás carradas estavam desligados, excepto um, portanto nem pensar em meios de distração, a distração estava resumida a uma espera demorada e mórbida, uns queixando-se de cancro do estomago, outros do colon, havia muitos dos intestinos e não consegui apurar quantos do pâncreas, pulmão ou da pele, a meu lado um envergonhado temia urinar-se e molhar o seu, seu dele, nos testículos, uma chatice, para cúmulo tinham sido retiradas cadeiras da sala de espera em questão, e além destas há cerca de dois meses retirados dois sofás do hall de entrada da Unidade,  onde bombeiros se resfastelavam a descansar, ou cansados da labuta ou cansados das esperas, praticamente no mesmíssimo e largo corredor de acesso à Unidade e que dispõe de imenso espaço mas não tem cadeiras, isto nas barbas de quem não devia consentir tal, precisamente em frente a uma organização de defesa e apoio ao doente oncológico em cuja pagela se vê como missão entre outras coisas «Promover o seu bem estar, melhorando a sua qualidade de vida» mas que, garanto-vos eu que foi o primeiro local onde me dirigi com intenção de sugerir ou reclamar mudanças e perante as minhas perguntas, isto é todos os dias ? vocês nunca viram isto ? Já alguma de vocês tomou providencias, indagou ou tentou alterar a situação no sentido de melhorar a presença de doentes e familiares ? As respostas já vossas excelências as sabem, nada fizeram, nada faziam nem pensavam fazer, tal e qual, surpreendentes mas foram as respostas que me deram. Ah ! E deram-me também umas folhas A4 que lhes pedi e nas quais comecei de imediato a garatujar este texto. No entretanto os bancos/mesa para revistas embora desconfortáveis acabaram servindo para alguns de nós nos sentarmos, enquanto outros se entretinham competindo por assentar o rabo num pequeno irradiador saliente da parede do corredor.

Diga-se que não sou doente oncológico mas acompanhante, contudo custa-me estar em pé, e hoje estive, das oito da matina à uma da tarde, a Luisinha ainda lá ficou a meter na veia até ás dezasseis, mas eu não aguentava mais, era torturado por todos os lados, eram os bicos de papagaio, eram as pedras nos rins, era a escoliose, o pé chato, o sopro no coração, a cirrose hepática, os espigões nos calcanhares, se dúvidas vos oferecer este meu testemunho dentro de dias terei à vossa disposição um fac simile da minha ficha médica pessoal, digo uma cópia digital do dito e que poderei remeter-vos a pedido, a questão acabou sendo murmurada por todos tendo gerado quase um motim. 

           Como se chegou a isto ? Aquilo era pura desorganização, puro desinteresse, puro desinvestimento no bem estar do doente oncológico, como conseguem apesar de tudo médicos, técnicos, enfermeiros e auxiliares dar azo a verdadeiros milagres ? No meio de toda esta confusão salva-se a LPCC e os seus voluntários do chá café ou laranjada, entre os quais a minha amiga Inês que nunca se esquece da Luisinha nem de me dar um rebuçado de mentol, em chegando a casa tenho quer ver se não terei mau hálito, mas digam-me lá se não é caso para pensar com que raio de disposição entram os doentes na consulta ou dão inicio ao tratamento ? Ou com que raio de disposição estarão os médicos depois de assistirem gente que lhes chega desfalecida e sem garra para lutar pela vida ? Aposto que o psicólogo do hospital já fez uma qualquer observação, já elaborou um qualquer relatório, certamente reportou quanto se indignou com a tortura psicológica não tão pouco subliminar quanto possamos julgar e adstrita a este mecanismo administrativo que é a estada dos doentes oncológicos e seus acompanhantes em Évora.

Sempre ouvi dizer haver males que parecem vir por bem ou que Deus escreve direito por linhas tortas, e já agora digo eu que o Senhor me perdoe ou me castigue se não é verdade o que afirmo, ora sendo o mal estar sentido e visto por todos, foi-o igualmente por um velho administrador deste hospital, também ele infelizmente doente oncológico, e faço aqui um parágrafo ou uma pausa e peço-vos perdão, não devo dizer velho, antes antigo, clássico, antiguidade clássica, não quero ofender ninguém, a ideia deste escrito é sugerir, não reclamar nem ofender, mas verdade é que dantes eram dois ou três os administradores do hospital dantes no tempo das vacas gordas, e agora que elas são magras passámos a seis ou sete administradores que ninguém sabe o que fazem ou para que servem e atenção isto é uma sugestão recalcitrante, não uma reclamação, é quando muito uma recomendação a que se lembrem, e cuidem, de doentes e acompanhantes pois se na ONU solicitámos ontem a abolição da pena de morte em todo o mundo mas por cá o pessoal é tratado a pontapé alguma coisa estará mal ou não ? Antes de vir embora dei uma ronda e contei trinta e sete em pé contando comigo, isto mau grado terem sido colocadas à pressa no corredor e por influência do velho administrador catorze cadeiras que foram logo ocupadas, não chegaram para as encomendas nem para encher a cova ao dente, tivessem sido o dobro, vinte e oito e não teriam chegado, enfim, mais um caso, neste caso um feliz acaso de tráfico de influências…

Mas após esta sessão de tortura Deus brindou-nos com a sua benevolência e tudo acabou bem, a Luisinha teve a sua consulta, o médico tem sabido mantê-la viva no arame, um equilíbrio de artista, certamente uma mão segura por muito saber, muitas certezas e muitas leituras, oxalá com tantos e diários inconvenientes não comece lendo transversalmente ou a saltar capítulos ou parágrafos inteiros para ganhar tempo, é preciso cautela pois ouvi dizer na Igreja do Castelo de Wittenbergem que tal procedimento desumaniza as pessoas… 
            

domingo, 26 de fevereiro de 2017

000417 - O COMBOIO APITA, APITOU 3 VEZES ...


Não é um vulgar apaixonado, quando muito um apaixonado invulgar. Depois de umas braçadas regeneradoras na piscina da Pensão Residencial Horta da Picota, Turismo Rural, adiantaram o duche, que tomaram juntos, de seguida o principesco almoço após o qual a canícula da tarde aconselhava uma sesta e como tal se apressaram e se meteram na cama já que o programa destas miniférias previa que fossem idílicas, nada pois de anormal que os encontremos bem dispostos e brincalhões, estão deitados lado a lado, cobre-os um lençol, é fim de Maio e já estão quentes os dias, depois dum lauto almoço aprestam-se à sesta, uma sesta morigeradora das saudades que acumularam desde as últimas miniférias de Hermínia, estão lado a lado, quase nus e conversando, ciciando na penumbra do quarto escuro que os isola do calor, 

ele vira-se para ela, corre-lhe o braço por cima, abraça-a, não tarda que hábil e subtilmente introduza os dedos sob o sutiã e o solte, ou os solte, beija-lhe as faces, os olhos e a boca enquanto a mão abarca um seio, depois o outro, lhe titila levemente os biquinhos com a ponta dos dedos, faz que os seios lhe rebolem nas mãos como, como duas, e ri-se infantilmente, como dois pacotes de leite, é mesmo leite diz brincalhão, e deixa que a mão escorra pela barriga dela, pelo ventre, a mão espalmada, sentindo-a, brinca com os pelos da púbis, sob as rendas os dedos acariciam-nas, gosta do tacto das rendas, sempre gostou, repuxa a calcinha desviando-a para a virilha, os dedos procurando despertá-la correm leves, ao comprido, para lá e para cá numa caricia voluptuosa, Hermínia fecha os olhos e entreabre ligeiramente as pernas, estremece sempre que aqueles dedos, nota-se um aroma no ar, não de Parfum Printemps Celest antes de fruta madura, fruta biológica, sumarenta, a maçãs verdes, 

Manuel Cesário tacteia-lhe os lábios carnudos, empurra-lhe a calcinha para baixo e que ela tira agitando precipitadamente as pernas, beija-lhe o ventre, é sagrado o ventre, todos os ventres, esqueceu já quantas vezes beijara Filomena da Conceição, grávida ou não grávida, e enquanto sorve p’las narinas aquele olor inebriante mordisca-lhe o ventre com os lábios, o ventre, a púbis, as coxas, as virilhas, até finalmente a beijar enlouquecido, como se não tivesse atrasado esse momento tão apetecido, beija-a, suga-a, Hermínia trava-o, aperta-lhe as faces entre as coxas febris, trava-o antes que também ela enlouqueça pois gosta de sentir-se desperta, de sentir-lhe a barba rude e áspera despontando e arranhando-lhe a pele, afaga-lhe os cabelos, agarra-os à mão cheia, empurra-lhe a cabeça, puxa-a, empurra-a de novo contra si, abre e fecha as pernas sem que saiba se sim se não, arquejam ambos como gaiatos jovens, sôfregos, 

de repente Hermínia tamborila insistentemente as pontas dos dedos nas costas dele, é o sinal, ele conhece-o e endireita-se, estende-se aconchegando-se na concha dela que o abraça e aquieta aninhando-o contra si e, colando-lhe os seios às costas roça-lhe a barriguinha nos quadris, mais precisamente na zona coxo-femural embora saibamos que a precisão é o que menos lhe interessa agora, Hermínia só pensa no desejo intenso de o trespassar, como fazê-lo não sabe, falta-lhe a grossa vara de uma picota, por exemplo, e enquanto fantasia afaga-lhe os poucos cabelos do peito, desce, espeta-lhe o dedo no umbigo pois sabe quanto ele detesta, Manuel Cesário reage encolhendo-se, ri, ela ri, ele ri, riem os dois, desce um pouco mais e toma-o na mão enquanto lhe roça a púbis no sacro sabendo quanto isso o excita, repentinamente volta a lembrar-se que tem na mão a vara duma picota soltando uma sonora gargalhada:

- Varei-te !

exclama álacre, conspícua e libertina, varei-te, e quem para dizer o contrário, se até querubins e cupidos que porventura se encontrassem esvoaçando na penumbra do quarto ou sentados na alta cabeceira da cama olhando-os o pensariam, ela trespassou-o, que sabem eles de sexo se eles mesmos não têm sexo, não têm penso eu que não têm, e se tivessem como seria ? Como o dela ? Como o dele ? Como saber se foi ele trespassado ou não se de sexo nada sabem os anjos, que por sua vez, e que nós saibamos, desde Constantinopla e de há cinco séculos a esta parte que o assunto é discutido pelos sábios sem que seja parida uma solução. 

              Manuel Cesário e Hermínia estão-se marimbando para isso agora, e enquanto nos deixam de novo entretidos com a candente questão do sim ou não, onde e como, de que tamanho e quantos anjos serão capazes em simultâneo de dançar na cabeça de um alfinete eles sim, eles pois, eles coiso e tal, e é melhor que nos afastemos, isto é matéria que não nos diz respeito absolutamente nenhum e uma curiosidade de querubim, ou de cupido, pode deitar-nos a perder, ser mal compreendidos, ser até tomados por ofensivos, ou intrometidos, porque agora, precisamente agora que Hermínia tamborila os dedos nas costas dele numa urgência pré combinada, pré programada, velha, numa pressa de o sentir, de o ter para si, de o fazer seu, 

precisamente nesse momento ele, que vive as suas próprias fantasias, e com quem ela por sua vez fantasia, não está lá, ou melhor, ele está e não está, está revivendo aqueles momentos com Filomena da Conceição, que nunca esqueceu e a quem nunca deixou de amar, e revive-os por intermédio de Hermínia que o ama e a quem ele acredita amar, ou deseja amar, ou quer amar. Deixemos portanto os pombinhos sós, têm muito que viver e reviver, e amar, amar é também matar saudades, relembrar, amar é como deslumbrar-se com o mar, há mar e mar, há ir e voltar, há viver e reviver, há o ter e o querer e o amor, e o amar é tudo isso e muito mais.

Ela descera um pouco mais e tomara-o na mão sabendo quanto isso o excitava, lembrou-se ter na mão a vara duma picota mas foi aos comboios que brincou, manipulou-o excitada, pouca terra pouca terra pouca terra, apita o comboio, apitou três vezes, e de novo o sinal, e agora é ele quem tamborila os dedos nas costas dela numa urgência conhecida, na pressa de a sentir, de a ter para si, de a fazer sua…

domingo, 26 de fevereiro de 2017

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

416 - VENDER BANHA DA COBRA ..........................


Casual e aleatoriamente veio parar à minha frente um conjunto de imagens curioso, uma qualquer festa ou celebração do meu partido, digo curioso porque só vi velhadas, velharia, um partido que se reclama de ideias jovens e que não se cansa de apregoar estar o futuro do país na mão dos jovens é afinal um partido de velhos, uns mais que outros, eles mais que elas ou vice-versa mas só velharia. Impressionou-me, quem gere os cordelinhos tá caquéctico, quem pretende oferecer-nos o paraíso metera-nos no inferno, e jovens ? Vi por lá alguns sim, bem poucos aliás, mais pareciam robertinhos, títeres, bonifrates, rindo e sorrindo para os mais velhos, desfazendo-se em mesuras, é que o respeitinho é muito bonitinho ou não é ?  Que se proporão vender-nos desta vez ? Mais do mesmo, mais banha da cobra ? Estamos bem arranjados …

Mas não era disto que vos queria falar hoje, hoje era minha expressa intenção desbobinar sobre o conhecimento, a sabedoria e o relacionamento, ou o relacionamento e a sabedoria, já que conheci uma, perdão, não uma mas duas senhoras que mais pareciam uma, e tão iguaizinhas elas eram que me confundiram, uma questão de percepção, ou de senilidade, quem sabe se também eu estarei a ficar velho. Tenho que comprar Calcitrin, verdade que sim, vou apontar não vá esta verdade dispersar. Falemos então das divindades que mais pareciam divinas deusas e que na realidade inda não sei se as imaginei se sonhei, a verdade é relativa, as verdades são muitas e a pós verdade ainda é pior. Mas vamos à verdade, a minha verdade que a vossa é coisa que nem me interessa.

Era uma vez uma pequena conhecida que em boa verdade não conhecera e que nem era contida nem excessiva, nem lenta nem apressada e sendo para aprofundar a verdade o melhor é confessar-vos que nem a conhecia de todo, nunca a vira, não conhecia mesmo. Aceitara a sua amizade desinteressada e aleatoriamente, como faço com tanta gente, já nem digo nada pois invariavelmente apresentam-se como minhas leitoras, ou seguidoras, motivo mais que suficiente para me encher o ego e nem fazer perguntas. Assim foi com estas, inda que vagamente tenha associado uma delas a alguém que me habituara a ver ao volante duma carrinha, daquelas que transportam equipas de vendas e tomam de assalto uma zona hoje outra amanhã, que venderia ela ? Financiamento? Crédito? Tupperwares? Trens de cozinha? Bimbys? Por mim que se lixe, não estou comprador, nem lá perto.

Mas eram parecidíssimas estas duas, uma académica, lá tenho eu que passar a ter mais cuidado com a pontuação, com a grafia, com a sintaxe, com a atenção devida aos tempos verbais e ao presente indicativo e predicativo do sujeito, a outra promotora de vendas, uma leoa decerto, quem se aventura na selva dos mercados com a crise que por aí grassa tem que ser pessoa de coragem, confiante, ainda por cima encabeçando uma equipa, sendo responsável, é de admirar realmente com tanta irresponsabilidade que alastra por este país há demasiados anos, conduzir outros, incutir-lhes coragem, convicção e confiança, dar-lhes meios e exigir-lhes objectivos, metas, não é para todos, ao tempo que não dava por um fenómeno assim, isto é liderança, vanguardismo, isto é a assumpção do elitismo esclarecido, claro que não somos todos iguais, há que ter coragem e assumir diferenças, liderar, conduzir, ir à luta, ganhar, vencer, mas que venderá ela ? Esperança ?

 Foi assim, depois fiquei-me por ali, ou por aqui, divagando sobre a formulação de juízos, de conceitos, de preceitos, até que inadvertidamente o pensamento derivou para os preconceitos, era fácil e natural o desvio, ou o percurso, porque os neurónios e os axónios lá terão as suas razões, os seus motivos, as suas conexões, as suas leis, quem sou eu para os entender, somente os conheço de vista, ou nem isso, e sim de ouvir falar neles, de ler sobre eles, e já é saber bem mais do que sei sobre estas duas que julguei, não, não julguei, apreciei, pensei, sobre quem me debrucei, acerca de quem me pré ocupei, e nem o teria feito não lhes tivesse achado algumas parecenças, alguma graça, alguma piada, alguma ligeireza, ou destreza, talvez deva dizer, dizer ou confessar, alguma elegância nos modos, certo que a uma não lhe conheço mais que o perfil e o apelido, mas a outra caminha com a elegância de que só um vendedor bem sucedido é capaz, não é altivez, nem arrogância, se não me engano e do que vejo desta esplanada de onde observo o mundo aquilo não é pedantismo, é sobriedade, é auto confiança, se calhar é mesmo isso, ela venderá esperança, que outra coisa poderia alimentar-lhe assim a auto estima ?

Gostava de conhecê-la melhor, quem não gostaria ? Sobretudo saber o que vende, não que eu esteja comprador, nem de esperança me sinto necessitado, em boa verdade já ultrapassei esse desiderato, quem de nada precisa terá de tudo, é um pouco o meu estado, um pouco complicado, como agora soa dizer-se, ou não ? Nada que não tenha aprendido, ainda que nem seja ensinado, ou talvez por ser um optimista céptico, mais que um crédulo pessimista, é a velha questão de olhar para o copo meio, estará ele meio cheio ou meio vazio ? Um vendedor olhará para ele, ele copo, e para o interlocutor, processará em segundos milhares de conexões, estimará potencialidades, avaliará possibilidades e quando o algoritmo lho aconselhar atirará a sua dica, já a outra obriga-se a ser mais contida, os académicos tendem a abrigar-se, evitam expor-se, há que resguardar posições e distâncias, como se a autoridade do saber residisse na sua sagrada ou divina ocultação, no mistério alquímico dessa disseminação, contida, doseada, como que aspergida sobre bem poucos eleitos, e estava eu nisto quando a Ti Bilete:

- Outra senhor Baião ? Desculpe a franqueza mas não serão já demais ? O senhor lá  saberá, ou não veio na mota ?

Precisamente, nem a mota nem o carro, irei a pé, moro perto e estou desperto, não durmo nem abano, não oscilo, não tropeço, acordei, simplesmente encalhara nos meus pensamentos e sonhador como sou erguera um preconceito, fundamentara-o e justificara-o, quando afinal antes de ir para casa só tenho que lembrar-me do dois em um, afinal não duas mas uma só, uma só solução, branqueador e amaciador, Ultra Super Plus, dois em um, nem a marca esqueci, a Luisinha vai gostar não ter esquecido o recado que me dera, por vezes ponho-me a pensar e não paro, outras vezes só a Mimi me acorda ao chegar a casa, ronronando e roçando-se-me nas pernas, eu gosto de gatos, a Luisinha aprecia cães, seja o que for animais são família né ?

Não são eles que nos adivinham e conhecem todos os pensamentos ? Dos mais torpes aos mais íntimos ? 


segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

415 - VIDA, VERTICALIDADE, COERÊNCIA, CONSEQUÊNCIA, HONRA …


Aconcheguei-lhe ternamente a manta junto aos ombros e deixei-a ficar adormecida, era cedo ainda, a noite fora-lhe tormentosa, que descansasse agora enquanto eu cuidava de que tudo estivesse pronto para o pequeno-almoço mal acordasse. Quanto a mim esperaria por ela, não que não tivesse fome, que tinha, inda que pouca, mas esperar por ela era modo de demonstrar o amor e a consideração que lhe tinha e me merecia.

Tínhamos marchado a noite toda e todos estavam exaustos e famintos, o sol não demoraria a despontar abrasando tudo, tudo e todos que se aventurassem debaixo dele, ouvia os homens fazendo medições antes que a última estrela se apagasse e discutindo, a questão não valia a discussão, mais milha menos milha, apesar de tudo a noite tinha rendido. Digo apesar de tudo porque trazê-la connosco atrasara-nos a todos, atrasara e metera em risco, eu sabia-o e mesmo assim dei a ordem, que improvisassem uma padiola e a trouxessem, custasse o que custasse. Ninguém respingou, e ela, mau grado o estado periclitante em que se encontrava e o sangue que perdera, sobrevivia. Perdera e continuava perdendo, pouco mas perdia.

Hoje, que por razões um tudo-nada idênticas recordo esses dias lembro que estiveram na minha resolução de saída e abandono. Talvez abandono obrigue a pensar numa obrigação que alguém me tenha imposto, numa expulsão, que não foi o caso, nem uma atitude minha de virar as costas irresponsavelmente, o que não aconteceu. O que aconteceu foi que nos devemos obrigar a ser coerentes e consequentes, mormente em cenários como aqueles em que vivíamos. Verdade que ela se salvou, verdade que sobrevivera, mas colocara toda a coluna em perigo, todo o grupo, e todos sabiam que por amor eu tinha infringido as regras, e as regras têm que ser iguais para todos, não jogávamos a botões, e não há vidas mais valiosas que outras, haver há sempre, ou haverá, como aconteceu, mas temos que estar aprontos para pagar o seu preço, e o meu foi uma demissão honrosa.

Néli * tinha sido salva mas eu perdera-me, perdera a autoridade, deitara a perder o respeito que me era devido, o crédito acumulado, desbaratara o prestigio que arduamente tinha conquistado, dissipara a confiança que em mim tinha sido depositada a um preço alto, altíssimo, e quantos o cumprimento das regras tinha condenado ? Não se vence uma guerra com o coração, vence-se com a razão e razão e emoção estão por vezes nos antípodas ainda que não possamos perder de vista nem uma nem outra, nunca. É nesse estreito e periclitante equilíbrio entre razão e emoção que radica a honra, a hombridade, a probidade, a rectidão, a confiança, o respeito e a nobreza de caracter que carregamos connosco, desfeito esse equilíbrio, por si só a carga alijar-se-á.

Deus concedeu-nos livre arbítrio para que não sacudamos a água do capote. Não há arbitrariedades, o que há, demasiadas vezes, é quem não assuma a responsabilidade pelos seus actos, por isso eu tinha que me demitir, tinha que me respeitar, e aos demais. A quantos naqueles anos caóticos tinha sido concedido o tiro de misericórdia para os poupar ao sofrimento, para os poupar de cair nas mãos do inimigo, para que não fossem um peso para os demais, sim, a quantos tinha sido concedido esse tiro de misericórdia para que outros sobrevivessem ? Vivessem ?

Regras são regras, em cenários assim não podem ser personalizadas, nem pontuais, têm que ser gerais, universais, iguais. Quem vai sabe ao que vai, sabe o que o espera, sabe com o que contar, nunca vi ninguém chorar, nem implorar, mas vi agradecer, sim, despedir-se e agradecer.

Uma única vez e por acordo de todos tínhamos infringido as regras, a pedido de Tchaló que deixáramos ferido na esperança de conseguirmos voltar a tempo com um Unimog, ou um helicóptero. Não conseguimos, mas ele soubera que esse risco existia e fora-lhe recomendado que guardasse para si a última bala. Não guardou, ou não guardou ou não teve oportunidade para isso. Quando conseguimos voltar em seu socorro chegámos tarde, atrasados, um dia no máximo mas atrasados. O cenário que se nos deparou não deixava dúvidas, muito provavelmente tinha sido comido vivo, rezámos para que Deus o não tenha permitido mas a quantidade de mabecos mortos à sua volta e a distância a que se encontrava a arma, ainda municiada, indicavam luta renhida, os mabecos pagaram um preço alto antes de lhe chegarem ao sangue cujo odor os atraíra. O seu olfacto detecta um cheiro a dez milhas de distância, é cinco vezes mais apurado que o das hienas. O torso do infeliz Tchaló, que não estava ainda limpo pelas aves de rapina, era um relógio assinalando a hora da morte, os restantes membros, dispersos, indicavam a luta travada pela presa entre mabecos esfaimados, a ausência de perfuração no crânio provava que não tinha guardado para si a última bala, restava a questão crucial, estaria ainda vivo, ainda consciente quando os mabecos… Tínhamo-lo deixado muito ferido, consciente de si mas muito debilitado, com água bastante, mas o esforço que os cães da pradaria lhe terão exigido pode ter sido demais para ele. As nossas boas consciências exigiam-nos que tivesse falecido antes de…

A morte não pode ser aleatória, uns sim outros não, os homens criaram as regras para se respeitarem a si mesmos, para se superarem, para se honrarem. Na aldeia fui louvado ao chegar com Néli numa padiola, viva, mas a honra tem sempre um preço, ou não seria honra. O amor sobreviveu graças ao coração mas sucumbiu às regras, Néli não podia voltar a aceitar-me. Eu demonstrara ser um fraco e ela era e continuava sendo a vanguarda, uma guerrilheira, uma líder. A verticalidade e o proscénio assim lho exigiam.
* http://mentcapto.blogspot.pt/2016/11/396-lebam-ku-bo-o-canto-da-esperanca.html