domingo, 4 de dezembro de 2016

402 - A ESPERA ... por Maria Luísa Baião * ................


Foi ansiosamente aguardada. Todo o meu mundo durante muito tempo girou em volta dessa espera. É verdade que quem espera sempre alcança, mas o tempo, que não passava, e a situação, que nem atava nem desatava. Nunca imaginei que a espera pudesse ser desesperante, ou quase.

Os meus estados de alma alternavam entre o júbilo, a alegria pelo momento aguardado e a tristeza pelo lento evoluir do tempo, esse tempo que quanto mais desejado mais intolerado se tornava. Eu andava já stressada, eléctrica umas vezes e cansada outras, de tanta energia colocada nas coisas, em tudo. E o tempo, e a demora demolindo as minhas resistências.

Sou ágil a pensar e a agir, mas nessa situação, impossível de controlar, tornei-me mesmo agressiva, insuportável, quando não precipitada. Nem as primeiras chuvas, nem o cheiro grosso a terra molhada, realidades que normalmente depositam no meu espírito, como rios extravasando os leitos, um aluvião de paz, me cercearam a emoção vivida. Uma emoção profunda e velha de tanto usada e abusada.


Momentos houve dando por mim intolerante para com o cheiro das flores, os ornamentos, os livros e os discos, e então, nessas poucas e raras vezes, tombei combalida, soturna e infeliz por não chegar esse momento tão ansiosamente aguardado. Na sala todos os móveis me pareciam taciturnos e austeros, escuros. E eu a distanciar-me de mim mesma, numa tentativa de me alhear de toda a situação, absorta na espera e no desespero. E o tempo sem se apressar, parecendo desejar irritar-me, passando em passinhos pequeninos, eu procurando não chorar, aferindo vezes sem conta relógios e calendários, cujas horas e folhas iam caindo de maneira compassada, regular, demasiado tarde para a minha pressa, para a minha ânsia, para a minha circunspecção.


Eu procurando dominar-me e às circunstâncias, eu a inflar-me de calma e cerimónia, enchendo-me de salamaleques para com as amigas e vizinhas, numa sofreguidão de empatar o tempo e esconder a mágoa difusa e inequívoca que não esquecia um momento sequer. Os físicos embirrando comigo, que tudo estava bem, sob controlo, no tempo próprio. E mostravam-me provas e exames, eu alheia a tudo aquilo mirando constantemente o calendário do relógio e fazendo contas de cabeça, enquanto por civismo e deferência debitava frases óbvias, fórmulas de ocasião, odiando-os por terem razão, olhando-os de soslaio e atirando-lhes críticas pensadas por não me enganarem, por não me iludirem, por não me mentirem.

Era errado pensar assim, mas animava-me, trazia-me um conforto sem alívio, e eu, num débito de reconhecimento e consideração sorria-lhes e agradecia-lhes, concordando.

Um dia houve que após a chuva, manhã alta, ergueu-se uma bruma colada à terra, imersa nessa névoa, enterrei nela a minha solidão e tristeza. Coisa pouca, o ritual de cerimónias instalou-se de novo mal saíram os primeiros sinais de um sol quente, afastando as nuvens. Voltei ao formalismo de um funcionário do ministério dos estrangeiros, diplomacia a quanto obrigas, corri as cortinas mas a bruma não voltou, a névoa não voltou, nem me cegou nem fez esquecer. O coração voltando ao ritmo acelerado que se tornara norma, descompassadamente, indiferente à devastação que ele e a espera talhavam em mim.  


A espera, essa terrível evidência de que nenhum recurso me podia livrar e que tive, uma vez mais, de admitir sem contestar, sem protestar, prostrada já ante uma natureza imutável que nunca lograria alterar. Aceitei os factos, foi como se me deixasse conduzir por mão amiga, impregnei-me de uma solicitude afectuosa e, de quando em quando, passava por baixo das narinas um lenço embebido em água-de-colónia.

Lembro-me de, por vezes sentir frio em pleno verão, um frio enorme dentro de mim como se fora de gelo, o estômago sempre contraído, eu apertando as mãos junto ao peito. Colocava então um casaco sobre os ombros, acendia um pauzinho de incenso e esperava. Esperava que o tempo que não passava passasse, que fosse já amanhã, a semana, o mês seguinte, sentava-me no sofá, a minha gatinha no colo, e adormecia com essa esperança que nos desespera.
  

Finalmente chegou o momento ! Todas e todos corremos acossados para ver o milagre ! Fizemos de magos, telefones e telemóveis tiniram e surgiu ouro, incenso, mirra. À nossa frente o milagre, buscando a mama na avidez da vida, muito cheiinha e muito bonitinha, cabelo escuro, comprido, como as mãos e os dedos, olhos pequeninos perscrutando a existência, a novidade, a beleza de ser.

Os pais chamaram-lhe Leonor, e eu tornei de novo a ser quem era. 
  
                        
* Escrita numa quinta-feira, mais precisamente a 19 de Outubro de 2006, às 15:48:13 e publicada por esses dias por Luísa Baião na coluna Kota de Mulher, Diário do Sul – Évora

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

401 - HÁ FADAS EM ARRAIOLOS, por Luísa Baião*


 Estando um dia bem bonito, o verde campo florido de malmequeres preenchido libertou no ar mil cheiros, desejos e tantos apelos, que acordei em alarido. Assim que o sol despontou invadiu-me a alegria e nada nada demorou pr’a que liberta do enfado, tivesse agarrado o carro e apontando estrada incerta vogando sem qualquer fado, como quaisquer navios perdidos rodando em estrada deserta.

Faço isto algumas vezes para fugir ao fastio. Nada tendo a proibir-me libertei-me das grilhetas e quando alguém me chamou era tarde e já corria tanto quanto as borboletas. Corria pl’o Alentejo, pl’o Alentejo que eu amo, campos verdes e floridos, cheiros inebriantes e queridos, da terra que o olhar conquista, paisagem a perder de vista, como em vasto mar oceano.

Rolava despreocupada por uma estrada tão pisada, quando, sobre o alto de um monte me acenou o branco azul do casario deslumbrante. Em consciente desvario virei o rumo rumado e o almoço traçado pr’onde se fixavam os olhos e rumei a Arraiolos, vila que sempre adorei.

Sempre sempre no beicinho, as queijadas de toucinho tão macias, tão gostosas, de chorar e pedir mais. Almocei no Condestável, uns segredos de bom porco e outras especiarias tais. Passeei, calcorreei, ruas agora renovadas, outras inda esburacadas e tentei ver a verdade de conversas apuradas sobre estórias tão diversas como os buracos da praça, silos pr’a cuidados futuros, talhas de tintureiros em apuros** ou simples contos brejeiros de contadores feiticeiros.

Com passos vagos, gestos lentos, me passeei. E do castelo enxerguei quando o olhar semeei, como um sopro sobre as vagas, as searas ondulando, sussurrando histórias de antanho que, ofuscando, convidavam, a ver imagens de armas, de Miras e de Rivaras, de D. Fernando de Bragança o maior de Portugal e abastado senhor. Histórias de então e de hoje, de gentis almas misteriosas, recatadas, habilidosas, em secretas e novas missões arroladas, cujas vidas só o são, por muitas vezes em verdade, nos mais belos contos de fadas.

E, frente a quem dá a vida, num gesto de grande amor sem esperar qualquer outra paga que não seja um mero louvor, pequena fonte verte água e alimenta um espelho dela onde de forma singela se reflecte num mosaico, belo caleidoscópio arábico (?) que honra essa nobre terra.

Descida à vila de novo, labirinto onde mãos de fada cumprem turnos de horas mortas, vi dar à luz milagres extras, partos saídos de mãos destras, cuja beleza nos enleva e em sonhos nos revela ao tocar-lhes de mansinho, o ciciar do carinho com que portas dentro tecem, tapetes que vamos sentindo como janelas abrindo caminho a vidas mais belas. ***

Não vi nessa terra mágica nem mistérios nem segredos, mas vi, como nos degredos, trágica sina da gleba, gestos ledos mas estudados, donde irradia um esplendor que ofusca tristes tormentos passados na gestação dos enredados novelos. Calhou-lhes como fado e em destino tecer obras que glorificam e que sorrindo fabricam c’a gravidade de almas nobres, mas não por certo p’rós pobres.

E ali, a ver se encantam, mesmo à mão de semear, em exposições que nos espantam, como quem nos está a chamar, podemos ver a beleza estender-se numa certeza de quem sem as leis dominar, nos borda em excelsos padrões, geométricas constelações que nós gentios cobiçamos se para casa levamos com um aviso; “ não pisar “ !

E não havia segredos, nada até de espectral, apenas trabalho extremo, obras de alto coturno e a prova de que há na vida quem tenha tido por destino não um ofício de menino, mas ofício virado vício, em que a agulha a trabalhar, vai tecendo no bulício de vocações ancestrais, tapetes de porcelana, cuja marca não engana escultores, pintores ou amores de quem a verdade ama. Acariciei-os de leve, fechei os olhos expectante e ao toque do tapete, os sentidos se me abriram, qual janela mirabolante se expandiram e quis crer, de olhos fechados, mesmo sem ver, que a vida se me revela, e que estar viva, que ter vida, é ainda a coisa mais bela.

  
* Publicado por Luísa Baião em 10-2-003, coluna Kota de Mulher, Diário do Sul – Évora    



 Pode ter existido em Arraiolos um destes complexos tintureiros. 
  Pode ter existido em Arraiolos um destes complexos tintureiros.
Arraiolos complexo tintureiro surgido em escavação.

401 - CAVALGADA HERÓICA ........ Alter ** .........


A semana tinha sido exaltada e prenhe de apreensão. Choveria? Não choveria ? E tanta coisa pendente disso ! No sábado aprazado entre as sete e as oito da manhã, três ou quatro vezes tirei a moto da garagem e a voltei a guardar. Finalmente, pelas oito e pouco uma aberta prometeu um dia lindo ! Não hesitei ! Mota fora ! Aí vamos nós ! Quando cheguei ao ponto de encontro estavam lá vinte ou trinta resistentes como eu. Pelas nove e já com sol, estavam reunidas perto de sessenta motos e mais de noventa amigos ! Partimos rumo a Alter do Chão, às coudelarias reais !

Pelo sim pelo não todo mundo tinha envergado os fatos anti chuva, não fosse o diabo tecê-las. E não foi que teceu mesmo ! Desde a saída de Évora, pelo Frei-Aleixo e até Estremoz foi uma prova de resistência em que ninguém foi abaixo. O passeio prometia. GNR na frente e atrás p’ra não deixar ninguém sair dos eixos, a estrada molhada fazendo com que nas curvas o esfíncter se contraísse. Uma neblina de sonho solta pelos pneus das motos pisando no molhado tudo toldava, enquanto os escapes abertos provocavam um silêncio ruidoso e ensurdecedor de que me fui alheando, propiciando a que deixasse a moto deslizar e os sonhos divagar.

É preciso saber sonhar sabem ? Deixar espaço ao sonho… A mim faz-me sentir bem, é um estímulo cada um destes passeios, um período consagrado à divagação em que a sensibilidade é levada ao ponto de exaustão. Ao extremo.

Na orla do ângulo de visão permitido pelo capacete divisava os raios de sol desenhando na neblina grinaldas com mais cores que uma palete e eu, acelerando num ritmo certo deixava o imaginário ir fluindo, acompanhando a estrada que não via já, toda ela um carreiro de amor, as motas como um rebanho criado pela minha pródiga imaginação. Os traços descontínuos da via bruxuleavam ante os meus olhos soltando reflexos doirados e coloridos quando o sol batia na estrada, no espelho da estrada molhada, desenhando vitrais góticos cujas cores não encerravam figuras mas lembranças e sim, lembrei-te em baixo-relevo enquanto, delineando as curvas, fiz todas sem que por uma sequer tivesse dado, sem que uma vez tivesse pisado o traço, e, em cada curva tu, e eu, perdido em carícias ingénuas, nem ciúmes nem saudades, somente o coração batendo placidamente, o motor ronronando, a estrada fugindo, eu sonhando e uma 125 azul surpreendentemente, acompanhando-nos. *

No peito uma chama de desejo, lume ardendo nos sentidos, volúpia que meu corpo sublima bamboleando nas curvas. Não chove já, acelero de novo, acompanho-os sem dar por eles, as curvas repetem-se, cada vez mais perto de ti, não sei já em quais delas penso, se nas que molhadas são um perigo se nas tuas, cuja silhueta mentalmente desenho preenchendo-me com desenhos que me toldam e tornam lascivos os sentidos, enquanto desprendido de tudo, tramo mergulhar em pecado na boémia, ébrio do teu odor, do odor libertado pelos prados que a estrada ladeavam e a primavera confirmava. Confundido rendi-me a mim mesmo e curvei sem dar por tal ou pela estrada, há muito que não chovia e o sol afagava-nos com os seus raios, espraiei os olhos pela paisagem e foi a ti que vi como se tingida na retina, beijando-me em lírica e serena ausência mas prenhe de promessas e delírios sabendo-me presa fácil de paixões e carências.

Chegados apenas os cavalos me seduziram pelas possibilidades de montar um deles, preferencialmente alado que, por milagre, minha alma levasse mergulhando-a em céus de esplendor num gesto delicado que, tocando a abóbada celeste, te envolvesse neste anseio conquistando-te o corpo quando eu, de ouvidos tilintando embriagados, vendo em meu redor flâmulas e pendões multicores rodeando um mar de rosas entre nós e o céu, só tivesse dado acordo de mim quando as trombetas me solicitaram para o festim do almoço.

Restaurante abarrotando, mesas sobrelotadas, toda a gente quer ficar perto de toda a gente mas não te alvitro entre os demais, enquanto isso o espírito de camaradagem e de festa divaga sobre nós abençoando-nos, retribuímos não desdenhando do cozido nem do tinto ou da cerveja que pródigos pajens e arlequins nos colocaram à disposição. Confesso não ver já quem está à minha direita, à esquerda ou em frente, que interessa isso se somos como irmãos de velha e honrosa irmandade?

E não me sais da ideia, lembro ter afivelado um sorriso que me durou toda a tarde e não perdi, antes guardei, não fosse caso que, na prova de vinhos em Estremoz, te perdesse do pensamento sob influência de tais éteres pois só vê-los bastava para nos toldar a razão. Mas não estive com cuidados, minha alma vagabunda tanto navega neste mundo como caminha sobre o mar, pois não sou de nenhum lugar, nem me acho louco por ser assim, vos garanto porém embora não lembre já o opíparo jantar, ter sido um dia tão feliz, tão feliz que somente no dia seguinte dei por mim e, como sempre lá estavas, não sei se à minha esquerda se à minha direita, acho que à direita, não fosse a bainha da espada enredar-se na roda do teu vestido...


** Devo esclarecer que esta linda cavalgada teve lugar em 2009, foi promovida pelo grupo de amigos das motas da empresa Estradas de Portugal EP, belissímo passeio que me esquecera da publicar.... Aproveitei agora a oportunidade... Bom jantar para todos e todas, boas curvas, Bom Natal, bons passeios e um abraço... :)

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

400 - ENQUANTO FUMO UM BOM CHARUTO ...


Há semelhanças que separam entre as diferenças que nos unem,
amei-te em tempos, como me amaram, depois, contudo, todavia, porém.

Não foram ciumes, foram dúvidas, ilusões, apreensões,
foram desilusões piores que o cepticismo,
e as certezas, absurdos inaceitaveis, visões inverosimeis.

Os relógios sem corda, parados no tempo errado,
inda que certos duas vezes ao dia,
só, sós,
numa feérica ilusão de harmonia.

Harmonia pré-fabricada,
com pós-verdades, como agora se diria,
esquecido Cabrera Infante, Dulce Loynaz,
José Lezama, Reinaldo Arenas, Heberto Padilla,
e o outro, Camilo Cienfuegos, Huber Matos e os outros, tantos outros.

Um cenário p'ra inglês ver, a virtude, a inocência inicial, o pecado capital,
a felicidade forçada, decretada, imposta, o improviso guindado a arte,
a arte sem arte urbana, a arte urbana tornada kitsch,
o kitsch duma matrioska, a matrioska como o handcraft suiço,
feito à mão em fábricas ultra modernas, o kitsch em série,
o artesanato nato, infalível, nado e criado com injectoras de alta pressão,
para aluminio, para plástico, ou em modernas impressoras 3D.

Enquanto lá, sem WiFi a vida não dá, e todos, peões de brega,
iguais, iguaizinhos, igualizados, maquinados, formatados, alinhados,
alienados, alinhavados,
pegando a vida de cernelha,
agarrando-se à infima centelha com que se acendem os charutos,
enrolados à la main, bloqueados, contrabandeados, falsificados,
condenados, malfadados, apreendidos, mitificados, amados, sagrados,
símbolos de irreverência, de subserviência, paciência, impaciência,
despotismo, abuso, prepotência, arbitrariedade, 
a resiliência duma causa justa que virou incerta,
de quem já nada se diz de ciência certa.

Apagou-se a vela,
lamenta-se ou aplaude-se,
agora sim começou uma querela,
e a divinização, a canonização,
que tempos estes os da pós–verdade,
sem magia, sem credo, sem fé,
onde,
tudo é gozo, riso, mentira,
quem diria aqui chegarmos,
vejam só a ironia.

Ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah !


quarta-feira, 23 de novembro de 2016

399 - BRAVO, JERÓNIMO ! * por Maria Luisa Baião

          
           Atravessava um destes dias o nosso burgo, quando ao descer precisamente a Rua de Burgos me lembrei que não deveria deixar passar em claro a tão comentada exposição de Marcelino Bravo, ali à Delegação Regional de Cultura do Alentejo. Em boa hora o fiz, porque não me arrependi, antes pelo contrário.

            A primeira impressão que colhi foi precisamente aquela que as páginas deste diário tinham já anunciado, cores fortes, quentes e emotivas. A segunda impressão foi-me transmitida pelo dinamismo das curvas do seu traço, lembrando o estilo “arte nova” do início do século XX, em que o real era, e contínua a ser pelo que vi, traduzido num estilo livre mas fortemente evocativo, um traço indelével de automatismo nas formas que caracterizou a pintura dessa época.

           Como então, a arte de Marcelino Bravo exige uma particular atitude para ser olhada, pois deixa transparecer uma mestria, uma dextria própria, não incompatível com a grande disciplina das formas e imagens.

            Nelas encontramos originalidade conceptual e um forte sentido de estrutura. É também perceptível uma suave distorção da realidade, o que só acentua a força de expressão das suas emoções interiores e de onde resulta certamente o jogo quente das cores que o individualizam e libertam da realidade natural.

            A policromia, as cores vivas, fazem lembrar as paletas dos impressionistas e neo-impressionistas, e revelam um mundo muito particular de relações cromáticas, (expressionismo?), decididamente liberto de inibições quanto ao uso da cor e de convenções quanto às formas.

     Alguns traços geométricos revelam vagamente o “realismo cubista, ou preciosismo”, no entanto Marcelino Bravo não abandona as formas, às quais dá como assinalei, notável relevo pictórico, de realçar o vermelho puro, incendiado, na tela com Monsaraz ao fundo.

            São sobretudo as suaves distorções das formas e as cores que acusam na sua obra um traço expressionista, linhas e cores dissonantes, apontando para a natureza certamente hipersensível do artista, expressionismo bem patente na forma como é expressa (perdoem-me a redundância) a sua ligação e amor a Évora e ao Alentejo. As formas geométricas de composições como “Évora Património” apontam na direcção do expressionismo abstracto que Marcelino Bravo não concretiza, quanto a mim felizmente, para que se não perca a fácil identificação da sua forte raiz alentejana e eborense. Gostei, muito.



            E mal saí do nº 5, não me contive, e entrei no nº 6 da mesma rua, na “Galeria Jerónimo”, uma entre tantas lojas de artesanato, que contudo esconde mistérios insondáveis.

            É o refúgio conhecido de Jerónimo Amaral ** artista ignorado que todavia leva no rol vasto número de exposições de esculturas em ferro. Diferentes composições, mas todas elas figurativamente características e possuidoras de uma intensidade selvagem.

            Apresentando um grande contraste entre as diferentes obras, a sua criatividade tem um sentido de mistério que tanto nos inspira harmonia e paz como revolta, protesto, ou algo de grotesco. Jerónimo Amaral espanta-nos com a sua criatividade e técnica, virtuosa e radical ao mesmo tempo, e parece não conseguir esgotar as virtuosidades e possibilidades de cada tema a que deita mãos. Estranhas, desconjuntadas e distorcidas nas suas formas anatómicas, os seus temas emergem como criações “surrealistas”, em que o compromisso com a violência serve por vezes de mensagem e suporte à defesa do ambiente, mas que não quebram totalmente com o racional, ainda que procurem uma beleza chocante que porém fica tenuemente presa à racionalidade e á lógica. Mais que acusando traços das “Construções em relevo” do movimento “construtivista”, Jerónimo Amaral faz a sua própria escultura de materiais que vai reciclando, desperdícios metálicos, lixo, e criando figuras e formas de impacto impressionante, muito engenhosas e não raras vezes animalistas. Simplicidade e simbolismo são características de todas as suas esculturas em ferro, misto de uma visão de “outsider” e de “técnicas de colagem” na escultura.

            Se algumas das suas obras parecem revelar “histeria nascida em estúdio”, o artista, o homem, o outsider, é contudo uma paz de alma e fonte de simpatia. Jerónimo Amaral gostaria talvez de ser anti-social, não o consegue, trai-se a cada sorriso e involuntariamente deixa transparecer um calor humano que gera de imediato forte empatia. Essa sua faceta trai a concepção “dadaísta” que desejariam atribuir à sua obra, obra em que não existe uma recusa da procura do belo pelo insólito.  

             Muitos anos de vida para o Jerónimo Amaral. **

             Vão ver com os vossos olhos. 
_________________________________________________________________

Nota minha: Não faltem à "PRESENÇAS" de Marcelino Bravo na Biblioteca Pública de Évora !!
O "home" só expõe de quinze em quinze anos !! Aproveitem !! 


* Publicado in DIÁRIO DO SUL –  “Kota de Mulher” - 01-02-2001 by Maria Luísa Baião

** O saudoso  amigo Jerónimo Amaral já não se encontra infelizmente entre nós.

domingo, 20 de novembro de 2016

398 - ARMINDINHA, AI MINHA MENINA …...........



Eu teria quinze anos e a Arminda uns dezoito, ligeiramente mais alta e encorpada tentava impressionar-me dando às asas, digo aos braços, tentando assim aumentar o tamanho do peito, tinha um peitinho pequenino, uma coisa miudinha, linda, lembro-me tão bem. Parecia um anjinho de pele branquinha dando às asinhas e eu dizia-lho. Aos quinze anos já tinha um bom rol de paixões vividas e consumadas, embora com a Arminda fossem só devaneios e arrebatamentos de rapazes, digo de jovens, pois nunca tomei sequer um café com a Arminda. Um dos aromas de que gosto e sempre gostei é o do café, adoro-o, adorava-o e quando ia a passando, calhando haver uma cafetaria era fatídico, entrava para uma bica escaldada.

Quanto à Arminda sempre gostei dela por outro motivos, se bem que ela depois de casar com o senhor Óscar se tenha enchido de brios e nem quando ele morreu ou mesmo depois de ultrapassada a dor da perda me tenha voltado a querer. Hoje compreendo-a, o senhor Óscar não deixara filhos, a mercearia enriquecera-o, se bem que já fosse rico à data em que a fundara pois que para tal tinha adquirido o Palácio do Farrobo* e, num golpe de sorte o estado veio a adquirir-lho para nele instalar o actual edifício do Registo Civil e Tribunal tendo feito dele, Óscar, num golpe de sorte e dum dia para o outro um homem rico. A mercearia veio a ser inaugurada menos de cem metros mais abaixo, ou mais à frente, na vertente da Rua de Machede** virada para o pequeno Jardim do Bacalhau, na verdade um muito melhor local que o inicialmente pensado Palácio do Farrobo. Anos mais tarde, após muitas sovas e cheia de filhos, Armandinha cedeu e, muitos dos eborenses se lembrarão ainda, o espaço foi por ela dado de arrendamento para loja de louça de barro que, à direita de quem subia a dita rua se manteve aberta quase duas décadas. 

Era esta riqueza ou esta herança que a Arminda acautelava não se deixando levar nem tão pouco por devaneios embriagados no mar de fardos de bacalhau onde tantas vezes vogámos. Um parêntesis para vos dar conta do meu melindre, já que a Arminda me colocou de parte com receio que a viesse a enganar ou a tornar-me oportunista por mor da herança dela, para no fim acabar nas mãos dum magala do Regimento de Artilharia 16 que lhe batia e detestava o fiel amigo. Mas enfim, arbitrariedades da vida. Gostar da Arminda teve sempre muito a ver com o facto de eu adorar o olor das mercearias antigas, daquelas que tinham feijão e grão a granel, e arroz, e açúcar, em cubas de madeira na loja e que demolhavam os fardos de bacalhau, nesses tempos humedecidos de propósito para pesarem mais sendo guardados num armazém das traseiras, bacalhau que depois um facalhão de eixo, tipo guilhotina, articulado e preso ao mármore do balcão cortava em postas bem pesadas.

 Como já disse eu adorava aquele odor, e por arrastamento o cheirinho da Arminda, a marçana por trás do balcão e com quem, por vezes, eu brincava ao esconder no armazém, entre fardos de bacalhau, sempre atento à vinda do senhor Óscar, o merceeiro a quem a Mercearia Do Farrobo enriqueceu. Ricas pernas tinha a Arminda, isto recordo agora por falarmos em riqueza, hoje talvez não tivesse quem a apreciasse como eu, era cabeluda do umbigo ao rabo e, mesmo às escuras e no meio dos fardos adorava passar-lhe a mão pelo ondulado do cabelo negro ou pelas tranças que de vez em quando com vagar uma amiga lhe entrançava e lhe caíam até meio das costas, até ao rabo para ser mais preciso que estas coisas da clareza e da objectividade são um esforço que vos devo.

Passados bem poucos anos passeando-me eu pela baía de Luanda sou agarrado por trás com alguma violência por um tipo que não demorei a identificar pelo cheiro, era o escurinho, o monhé, o menino Teles de Menezes, o magala que arriava na Arminda e que fora mobilizado por castigo. Sempre cheirara a caril dos sovacos. Esturrara grande parte da fortuna dela e numa sova maior que lhe dera saíra-lhe a sentença em rifa. A queixosa fora directa ao comandante da unidade que depois de aplicar um correctivo ao magala providenciou para que ele entrasse nos eixos tendo-o despachado para a longínqua Angola… Antigamente não havia condenação penal da violência doméstica é certo, mas existiam meios muito mais expeditos de acabar com ela de um minuto para o outro, hoje a democracia, os tribunais e os advogados eternizam tudo…

Foi assim que a Arminda primeiro se viu livre de mim, um gaiato, para se entregar nas mãos de um homem feito, mais três ou quatro anos que eu, cinco no máximo, que por sua vez fez dela uma mulher a sério, uma mulher com sofrimento e tudo, coisa de que eu jamais seria capaz. Não me salvei porque nunca pensara converter-me de alma e coração às delícias da Arminda, como sempre concordáramos nunca passou dum devaneio de juventude, um amor de perdição pelo seu cheirinho a bacalhau, uma pele tentadora e macia como grão-de-bico e um hálito permanente a menta e a café. Sinceramente nunca me vi como marçano, nem sequer sonhei com tal coisa, com a Arminda foi outra loiça… 

               Uma postinha de pescada da melhor… 


* http://viverevora.blogspot.pt/2011/06/evora-perdida-no-tempo-interior-do.html# 

** http://monumentosdesaparecidos.blogspot.pt/2012/01/palacio-do-farrobo-evora.html


Jardim do Bacalhau


quinta-feira, 17 de novembro de 2016

397 - TIRAR O CAVALINHO DA CHUVA ............…..


Andava eu concentrado no estudo e apreciação de Enrique Vila-Matas, um jornalista espanhol, escritor conceituado, e às voltas com um seu livro, mais concretamente a sua “História Abreviada da Literatura Portátil“ uma obra absurda que estava a gostar de digerir e eis que a internet me prodigaliza uma sua entrevista, a propósito de um outro livro e da arte da escrita, da literatura, em que ele, lato sensu, eleva esse conceito a um extremo cuja tese defende tudo ser narrável.

Portanto estava neste ponto quando uma minha amiga e a propósito de um pequeno ditirambo meu na minha página pessoal duma rede social, que entrosou, entroncou, encaixou, combinou com modesto texto meu, o anterior a este, me pergunta se o que eu estava a dizer, a escrever, ou descrever, era mesmo uma pinocada (termo dela) termo que posteriormente e de acordo com o espirito do ditirambo alterou para pilonkada, ao que eu respondi sim, estava mesmo a escrever sobre ritmos musicais e sincronização sincopada duma pinocada pontual, pinocada, ou antes pilonkada … Adiante esclareceremos o termo, pois sendo tudo narrável segundo a teoria de Enrique Vila-Matas, este qui pro quo com a minha amiga Ermelinda não pode deixar de ser aproveitado por mim como motivo de salutar ocupação dos meus tempos livres, o que gosto de fazer quer lendo quer escrevendo. 

O texto a que ela se referia, e cujo link vai ser o primeiro no rodapé deste texto é um texto pessoalíssimo, sobre uma situação velhíssima e de difícil leitura se não estivermos atentos. Claro que hoje em dia as pessoas estão desatentas e excessivamente focadas no imediato, tendo dificuldade ou sendo incapazes de imaginar um contexto diferente daquele em que vivem, diferente do presente. Era um texto que recordava Néli, que só me procurava quando todos dormiam, ou quase todos, e que sem barulho se anichava em mim, em conchinha, quando nem o suor ou a areia nos incomodavam, mas travavam. Era esguia e magrinha, era bela, marcháramos uma semana sob condições péssimas e nem isso lhe retirara a beleza, nem o ânimo, nem a doçura…

Uma cena com uns bons anos e na génese da questão trazida à baila pela Ermelinda, esquecida de quando apareceu a musiquinha do Emanuel “Pimba Pimba” toda ela como sabemos explorando as possibilidades ilimitadas da língua portuguesa e da brejeirice, não pude esquecer-me, ou não pude deixar de me lembrar que há umas décadas, quando não havia CD’s nem MP4 nem MP3 e as cassetes davam os primeiros passos, não havendo WiFi nem internet, não deixava contudo de haver outros povos e outras línguas igualmente alegres e brejeiras e que, tendo num qualquer dia calhado conseguirem uma boa caçada, um gnu, uma gazela ou uma pacaça, havendo carne ao jantar, e festa e batuque, ou seja musica, logo cantos e ritmos estariam assegurados. Foi precisamente aí e numa dessas ocasiões que vi como os outros (na pele de quem custamos a meter-nos) têm ou disfrutam igualmente de matreirice e sentido de humor, não sendo esses atributos exclusivos nossos, colonizadores ou velhos colonizadores, membros honorários da civilização que ora atropelamos...

Pois foi tal e qual assim que, acertando o ritmo com a pancada ou batida do tambor, ela, desvirtuando propositada e sagazmente a letra duma canção popular, (Africa ainda não teve o seu Giacometti nem a sua pesquisa e recolha de formulas orais e étnico musicais do canto tradicional mas quando acontecer demorarão séculos a compilar pois serão aos milhões), e desvirtuando intencionalmente o vocabulário acertava o ritmo dizia eu, sussurrando-me ao ouvido, Pilonkan, Pilonkan, Pilonkan, desafiando-me a bater forte tal qual o pilão bate na cuba onde é amassada a mandioca, tal qual a palavra distorcida ia na boca dela tomando vários sentidos, conforme o contexto em que se inseria ou ela a queria inserir, convidando-me igualmente dessa forma a "dar-lhe" forte e feio, que é como quem diz "bate com o pilão" bem fundo e com força, subentendido evidentemente desde que não partisse o pistilo, ou pilão, nem o almofariz.

Muitíssimas palavras em variadíssimas línguas tomam diversíssimos significados, e esta que me foi sussurrada convidava-me a que me desse, lhe desse forte, ou a "declarar-me", ou a dar-lhe a boa nova do meu amor e a intenção de “fazer” por ela, isto é tomar-lhe a mão, desposá-la, pedi-la em casamento. No fundo estamos falando sobretudo de formulas inocentes em que, desvirtuando matreiramente o sentido inicial da palavra, e a leva-la ou eleva-la a uma provocação brejeira, sendo o que dava à canção atrás citada o sentido e o humor tal qual fazem Emanuel e Quim Barreiros, em que ambos jogam com a duplicidade ou ambiguidade das situações que possam explorar numa frase, numa situação, numa palavra...

O nosso proverbial “bater com a cabeça na parede”, que é como quem diz “marrar contra a parede”, e numa modalidade mais forte “partir os cornos contra a parede”, nada mais simbolizam que a inutilidade de qualquer esforço ou tentativa, tal qual não adiantará absolutamente nada se estiver a “chover no molhado” ou se nos dispusermos ou lamentarmos “chorando sobre o leite derramado”.

Tal como nós África está cheia de provérbios, naturalmente alguns foram adoptados depois de séculos de colonização, e o nosso peculiar “vai pentear macacos” não andará longe de uma imagem que durante algum tempo me foi familiar, os beduínos catando-se, e não somente eles, também os indígenas, em filas de dois ou três ou cinco ou seis de enfiada catando-se uns aos outros de parasitas incómodos e exercício de todo improdutivo se descontado o alivio que tal operação certamente não deixaria de lhes oferecer.

Ora aqui está um texto que não passa de uma boa “conversa de merda” dirão com justiça alguns de vós, ao que eu contraporei que, segundo Enrique Vila-Matas e a sua tese de que tudo é narrável, estará aqui um belíssimo texto, não só para a minha amiga Ermelinda, seguramente a mais interessada numa explicação aprofundada e lógica, mas certamente para todos ou todas para quem o que interessa é ler uma história qualquer desde que, ou quanto mais desbrave ou se intrometa nos pequenos pormenores da vida alheia com que muitos de nós preenchemos a nossa, a nossa, vossa, sua, tua, dele ou dela, deles, delas, não a minha, eheheheh !

Porque se estavam à espera de uma coisa mais para o literário, numa página que uso para meu deleite e prazer pessoal o melhor é irem “tirando o cavalinho da chuva”  ! Ahahahahahahahah !




·         https://youtu.be/4tdsFkvm0ck




·         https://youtu.be/nwcGukMkR8I


sexta-feira, 11 de novembro de 2016

396 - LEBAM KU BO - O CANTO DA ESPERANÇA


O dia despontava, um rebordo alaranjado acompanhava a linha do horizonte e nem meia hora levaria até vermos esboçadas as primeiras sombras. Por essa altura o sol já castigaria, todos estavam exaustos, tinham sido oito horas de marcha sem outras paragens que não as estritamente necessárias para fixar o Cruzeiro do Sul e a partir dele calcularmos a nossa posição. Os homens arrastavam os pés ansiando por estender-se, elas não davam parte fraca, mas repetiam exasperadas o gesto de levar os cantis aos lábios secos denunciando um desespero abafado. Uma sombra e, mal a encontrassem, por aquele dia, melhor seria dizer por aquela noite, a marcha estaria terminada e os corpos jogados ao descanso.

Não faltariam muitos quilómetros para a fronteira, a zona de perigo fora ficando perdida na retaguarda, a campanha correra-nos mal, perdêramos dois homens, todas as viaturas e muito material, mas salváramos o coiro. Uma batalha não faz uma guerra e nem tudo estava ainda perdido. Cansados e abatidos homens e mulheres espojavam-se na areia fresca da sombra. Apesar do revés o ânimo não se perdera. Eu observava-os na improvisação de instrumentos que lhe marcassem o ritmo e a velha canção de esperança, Lebam Ku Bo, ia surgindo aos poucos da boca de cada um e cada uma com pedras, armas, ossadas, galhos ou cascalhos marcando o ritmo que lhes corria nas veias. Notável se considerarmos tratar-se de perto de 30 elementos, exaustos e oriundos de meia dúzia de nacionalidades.  

Eri Zuma não me saía debaixo de olho, a sua costumeira tagarelice, ora abafada, não prenunciava nada de bom, uma das baixas do recontro dumas horas antes fora o seu prometido noivo e, não ter chorado nem bradado aos céus preocupava-me, estava acumulando azedume, enchendo a alma de revolta, as mulheres ovambo eram ensinadas a calar a dor mas quando a bolha rebentasse ninguém esperasse coisa boa. Era um grupo excepcional, gente superiormente preparada, corajosa, tenaz, perseverante, resiliente, mas até o aço mais duro em determinadas circunstâncias quebra…     
              

Abrigámo-nos sob a sombra de uma pequena ravina, a partir daquela hora o sol seria inclemente e o Calaári mataria os descuidados. Dois homens, os mesmos que haviam caçado um beduíno* e lhe tinham dado comida salgada, soltaram-no e seguiram-no na busca desenfreada da fonte da preciosa água de que precisava, água a fonte da vida e onde o macaco os levou directamente apesar de bem escondida entre fragas. Poderiam passar-lhe ao lado que jamais adivinhariam haver ali água em tal quantidade. Os que ficaram limparam e lubrificaram as armas antes de adormecerem resguardados pela sombra da ravina. Naquela zona os helicópteros sul-africanos não se atreveriam a procurar-nos, temiam os cubanos e os velozes Mig para quem eram presas fáceis. Durante a noite, durante a caminhada e no espaço de poucas horas esbarráramos com dois meio enterrados na areia, um deles abatido recentemente, as cores e os estofos ainda não comidos pelo sol, procuráramos água mas tinham levado os cantis juntamente com os mortos, via-se sangue seco, muito sangue.

               

Ainda nos não encontrávamos a salvo, nem suficientemente afastados para não temer os helicópteros e demasiado longe para sermos procurados pelos nossos camaradas de armas, estávamos por nossa conta, felizmente um combate frontal estava fora de hipótese, quase não tínhamos munições e fôramos obrigados a abandonar o armamento pesado se quisemos salvar a pele. O equipamento de comunicações fora também atingido e estávamos nas mãos da divina providência.

Deus e a providência eram ali muito requisitados, por nós e por eles, o inimigo, umas vezes cada um com o seu outras disputando os favores e a graça d’Ele. Não fazia grande diferença, nem faria, na hora da morte só desejávamos que fosse breve, e que não nos complicasse a vida, muito menos a dos outros. Nunca abandonáramos um moribundo, mas felizmente também nunca tivéramos que carregar com nenhum. Certa vez um deles para não nos atrasar a marcha em dias e dias metera o cano na boca e solucionara o problema, resolvera a questão, há homens assim, práticos, pragmáticos, uma padiola é do pior que pode haver para qualquer ferido grave, é uma forca, uma sentença de morte, um mau feitiço atirado para cima de um homem. Viver é fácil, difícil é morrer, exige-nos toda a coragem.

Todos dormem, de duas em duas horas a vigília roda, a noite fora extremamente cansativa, caminhara-se para fugir do inferno e p’ra aquecer, no Calaári as noites são de gelo, entre os menos zero e os quarenta e muitos só os insectos se aguentam. O pico a seguir ao almoço é mortal. Os homens retornaram com vários alforges de água fresca e limpa. Não dará para tomar banho mas todos vão poder dessedentar-se e beber que nem camelos, sobrará para encher os cantis. A sede será doravante o nosso pior inimigo, era importante partir abastecido. Para cúmulo as rações de combate provocam demasiada sede e os homens, esfomeados, adivinhando a fronteira no máximo a um dia de nós, vingam-se da fome e empanturram-se. 

                        

Um dos homens mira-se num estilhaço de espelho apanhado no último héli pelo qual passáramos, ordeno-lhe que se desfaça dele e o enterre bem fundo na areia. Um descuido, um reflexo e a nossa posição pode ser denunciada a milhas e milhas de distância. Todo o cuidado é pouco. Aqueles dois preocupam-me, têm borregas nos pés e recomendo-lhes que os limpem bem e passem nelas gordura das latas de rações. Kristna está assada debaixo dos braços, tem o peito farto e pesado, a presilha do sutiã, o suor e o pó da areia constantemente roçando-lhe a pele feriram-na. Digo-lhe que largue e enterre o sutiã, que passe tintura nas zonas feridas, não sendo casos graves se tivermos cuidado não nos atrasarão. Reiniciamos a marcha ao som de “Lebam ku bo”, o canto da esperança reafirma ser a esperança que conta, a esperança tornou-se a fé destes homens e destas mulheres, esperança de conseguir sair com vida do deserto, de chegar à aldeia, à cidade, esperança de viver até à independência total, de ter filhos, família, vida, alguns já andam nisto há quase vinte anos, ou mais, vieram das matas, só conhecem a guerra e as matas, e agora o deserto.

           

Néli fez de mim a sua esperança, faço-me distante, despercebido, duro, todos temos que estar prontos a perder tudo a qualquer momento, o segredo é ter pouco, ter tudo exige capacidade de renunciar a tudo, não quero iludi-la, não quero enganá-la, somente à noite nos procuramos. Há que ser superior a tudo, a todas as tentações, renunciar é sobreviver, o compromisso tolhe, coarcta, prende, compromete, obriga a ceder, tortura, fragiliza, pode matar. Desapego é sobrevivência, liberdade, vida. Tudo isto Néli sabe, quem não sabe cedo ou tarde intui. Ela sabe e só me procura quando todos dormem, ou quase todos, sem barulho anicha-se em mim, em conchinha. Nem o suor ou a areia nos incomodam, mas travam. É esguia e magrinha, bela, marchamos há uma semana sob condições péssimas e nem isso lhe retira a beleza, nem o ânimo, nem a doçura.

Há duas horas que notamos mudanças na vegetação, há mais verde e mais arbustos e árvores, provavelmente estaremos neste momento pisando a linha vermelha de fronteira e entrando em Angola, sobrevivemos a mais uma provação, a mais uma missão, e continuamos cá, para o que der e vier. A guerra será ganha ou não valerá a pena, ou não terá valido a pena.

Adido militar, o Chino deve andar agora perto dos setenta e muitos anos, mas não parece, os pretos enganam a gente, mesmo com essa idade alguns quase não fazem rugas. Hoje levei-o a almoçar à minha terra, o grande lago deslumbrou-o. Conto-lhe das minhas primeiras paixões no varandil sobre a cisterna, diz-me constrangido que casara com Néli. Mostra-me uma fotografia de ambos tirada poucos meses antes dela falecer. Um grave problema de rins demasiado tarde associado a paludismo levara-a, um caso extremo e galopante. Ele também fora acometido pela malária mas safara-se devido a ser Major General e a saúde dos membros da forças armadas estar primeiro. De seguida emborcou instantânea e repetidamente dois copos de Reguengos reserva, o sorriso matreiro e os dentes brancos impecáveis voltaram-lhe à cara.

- É a vida, a vida não pára m'ermão.

Alargando os colarinhos, o cinto e os sapatos balbuciou algo como nunca se ter habituado a mais nada que não a farda. Fora guerrilheiro toda a vida, não conhecia mais que a guerra e a mata, nem tempo tivera para aprender uma letra, bem vistas as coisas tem mais cicatrizes que medalhas. Brindámos, rimo-nos do secretismo de antigamente. Agora o Facebook conhecia-nos todos os segredos. Não nos descobrira e juntara passados tantos anos ?

- Brindemos à savana, às picadas, ao Calaári, aos computadores, facebooks, intermetes e MPLA ! … Propôs ele…

Ergui o copo mas recusando-me a brindar, ele sabia bem quais e desde quando vinham as minhas divergências e dissidências com o MPLA. *

- Se lá estivesses serias general ou brigadeiro m'ermão ! À tua !

Fingi nem o ter ouvido, olhei o lago e embrenhei-me no ensopado de cabrito, carne muito parecida à da pacaça observou ele, talvez sim, talvez não…


** Estava-se então no principio da década de oitenta e os problemas no sul de Angola, derivados de tácticas e estratégias profundamente erradas, ditariam os factores subjacentes à minha divergência e afastamento. Erros que ditariam um elevado custo em vidas humanas e somente ultrapassados em 1987 com a Batalha de Cuíto Cuanavale, o maior confronto militar da Guerra Civil Angolana, ocorrido entre 15 de Novembro de 1987 e 23 de Março de 1988. O local da batalha foi o sul de Angola na região do Cuíto Cuanavale na província de Cuando-Cubango, onde se confrontaram os exércitos de Angola FAPLA (Forças Armadas Populares de Libertação de Angola) e Cuba (FAR) contra a UNITA (União Nacional para a Independência Total de Angola) e o exército sul-africano. Foi considerada a batalha mais prolongada e mortal do continente africano desde a Segunda G. G.







terça-feira, 8 de novembro de 2016

395 - WHO CARES ? BECAUSE I CARE ! ................


 Os olhos, pequenos e juntos, perscrutaram do alto o terreno batido e conhecido traçando nele, à guisa de plano de voo, um azimute que lhe permitisse escapulir-se sem chocar com a dissolução metodológica de quem se empenhava tolher-lhe os voos, coarctar-lhe os rumos, barrar-lhe as paisagens, as passagens e as rotas, vigiando-lhe os percursos, fazendo-o todavia de modo improvisado e, para sorte dele, sendo a empreitada lavrada por quem nada entendia da lavra inda que d’autoridade na matéria se arrogasse.

A tendência humana para o absurdo ajudou ao espectáculo, por isso foi visto rasando a Galiza e outros locais por onde nunca andou nem voou, visto por locais, nacionais e espanhóis, dados ao delírio e à efabulação mas que contudo foram de excelsa ajuda disfarçando-lhe as pegadas, confundindo os olheiros e os cães pisteiros.

Admite e confessa ter em determinado momento receado pela sua captura, porém, como quem faz jogo limpo, os mesmos que no seu encalço lhe pisavam já os calos baralharam e deram de novo, nova mão, nova jogada, abrindo-lhe o jogo, dando-lhe nova oportunidade, rasgando-lhe na cara um sorriso de orelha a orelha.

Mais de cem homens num dia e duzentos no seguinte abriram a malha que tanto temia o sufocasse, a confusão gerada e a confiança instalada tomaram tal magnitude que lhe foi facílimo escapulir-se da teia em que se sentira enredado, enleado.

Agora mais calmo e liberto da pressão que sobre si experimentara, sentado à mesa, palitando os dentes frente ao tabuleiro de xadrez recapitulou a odisseia, lembrou Palito, um personagem menor daquela banda desenhada e muito diferente dele, homem treinado, que todavia sobrevivera aos perseguidores mais que o cónego Melo teria adiantado e, sorrindo frente às pedras que movia com lentidão propositada, esboçando e tentando adivinhar as estratégias que contra si só casualmente convergiam, delineava um plano prático e outro contingente que o pusessem a salvo das tropelias que a comunicação social avançava e afiançava estarem sendo aprimoradas contra si nos gabinetes ministeriais e das autoridades. 


Voltou a sorrir, fosse ele comandante ou inspector ao invés dum Zé dos Telhados mal-amanhado como o pintavam e, com meia dúzia de homens, um psicólogo a fazer de “profiler” três antenas de telemóvel para triangular as comunicações, dois cães pisteiros e um cantil de água e o assunto estaria há muito arrumado, mas, ao contrário dos que tentaram com a irmã e três ou quatro amigos do peito a quem não conseguiram pôr a chibar, ele só e uma reduzida equipa fariam milagres em um ou dois dias e poupariam ao erário público os monstruosos gastos que a tentativa da sua captura lhes estaria a custar. Uma unidade inteira e nem sabia quantos mais batalhões, um corpo das forças especiais, um ministério ou dois, tudo envolvido sem outro proveito que não o de garantir emprego a toda aquela gentinha, mais valia que lhes dessem bons cursos de formação que fizessem deles bons ladrões, ou bons trabalhadores, e já agora bons aspirantes, ou oficiais, e bons patrões, que também não os há.

Tanta inépcia abre-me caminho entre os pingos de chuva é certo, mas não estou livre de me cair em cima um ocasional aguaceiro, a coisa ta preta, não posso deixar de pensar que tentarão calar-me antes de falar, vão disparar primeiro e fazer as perguntas depois, eu sei bem como tudo começou mas o mundo não sabe e irão fazer tudo para que continue sem saber, tenho as minhas razões, eles não têm razões, nem precisam de ter, têm as televisões, e não têm mortos, já eu conto dois mortos no cadastro a encanar-me a perna à rã, enquanto a eles nem os mídia levantam quaisquer objecções, nem quanto à desorganização nem quanto ao amadorismo nem quanto às razões na base desta perseguição, ou das suas razões. A saber-se a verdade seria um terramoto, um tsunami, rolariam cabeças, ministros, governo, há verdades em que ninguém acreditará, verdades inacreditáveis, estou bem entalado, estou codilhado, fodido.

Bem ou mal entalado terá Piloto pensado, já que sobre o tema nos faltam elementos e sobram suspeições, inda que ninguém se coíba por isso de traçar conjecturas. Mais correcto seria dizer alinhavar que é coisa provisória, ao certo ao certo sabe-se apenas que o Piloto é mesmo piloto, de aviões que voam, e agora parece que de carros de rally também, e que é tido na região, que conhece bem, por bom rapaz, que tem passado por todos os cercos como areia em ampulheta ou água em clepsidra, que devido à estultícia das autoridades e inerente (des) conhecimento do terreno a coisa pode prolongar-se, mas quem se importa ?

Importo-me eu, importam-se as populações que tanta discrição tem alvoraçado e assustado, como se no terreno tivesse sido accionado um dispositivo de alarme capaz de enxotar para longe o suspeito mas não a suspeição de inabilidade, incapacidade e incompetência com que o assunto tem sido tratado até às mais altas esferas.

Ponto da situação, ponto anedótico;

Após três semanas em que as autoridades se escalfaram batendo o terreno, alarmando tudo e todos sem que fossem encontradas as mais pequenas pistas e perante a enormidade do fiasco e o gigantismo da barraca dada, vêem agora alegar a necessidade de maior discrição nas buscas, o que, segundo elas, não deverá ser entendido como menos vigilância…

Pois pois…

E quem se vai importar ?


NOTA: Escassas horas após a edição deste texto “Piloto “ entregou-se em directo, e em Arouca, na casa de um amigo pessoal, tendo durante as duas horas anteriores concedido uma entrevista à comunicação social e reunido com os seus advogados, tendo estes por sua vez combinado com as autoridades as formalidades da detenção, que se fez sem alarido e sem violência. Pedro Dias acredita desta forma ter evitado ser abatido, e inocente das acusações que sobre si pendem. Pormenores encontrar-se-ão consultando o Google.